domingo, 11 de março de 2012


As armas contra o demônio
Pe. David Francisquini

Ao nos depararmos com uma montanha, tendemos primeiro a admirá-la. Em seguida arquitetamos um modo de escalar suas encostas e visitar seu cume. Por fim, tendo-a como pedestal, contemplamos os vastos cenários que a rodeiam, símbolos de valores transcendentais.
 O nosso peregrinar pela Terra pode ser comparado a um rio que nasce numa montanha dessas, percorre vales, perde-se em meio a uma vegetação que lhe é hostil, se precipita despenhadeiro abaixo, reaparece risonho em prado verdejante, atravessa ainda região de espinhos e abrolhos antes de chegar vitorioso ao mar. Se pudessem, suas águas exclamariam: “vitória”!
 A vida do homem neste Vale de Lágrimas é cheia de riscos, exigindo dele espírito de combatividade e de luta. Maculado pelo pecado original, o ser humano tem tendências quase inexplicáveis que o impedem de avançar por suas próprias forças rumo ao cume da montanha.  Os Mandamentos divinos se lhe apresentam de árdua observância, devido às tentações e à debilidade de sua natureza decaída.
Se considerarmos que uma terra ressequida termina cedendo às constantes chuvas e tornando-se capaz de fazer germinar a semente lançada pelo homem, não sem razão devemos figurar Deus como pai a velar pelos seus filhos.  Ao nos criar à sua imagem e semelhança, Ele colocou sobre nós as melhores de suas complacências.
A graça de Deus que nunca nos falta pode o que a natureza não poderia. Tentações nos sobrevêm, mas ninguém é tentado acima de suas próprias forças. Nos momentos difíceis, devemos sempre recorrer a Deus e fazermos uso dos tesouros que a Igreja coloca à disposição dos fiéis, através da mediação de Maria Santíssima, Mãe de Deus e nossa mãe.
O demônio, ao perceber que a alma regenerada na pia batismal se fortalece com as virtudes, não a deixa em paz. Contudo, não podemos nos turbar com as provas, pois Deus nos deu todas as armas para vencê-las. Como o maligno não fica ocioso e ronda como um leão faminto querendo nos devorar, Deus nos cumula de graças. Sua ação benfazeja nos mune para o combate.
 Devemos – com o coração humilde – nos apoiar no fortíssimo braço de Deus, e, assim amparados, travarmos o embate com aquele que vagueia pelo mundo para perder as almas. E Deus nos dará a vitória, pois tal luta está ancorada na oração constante, na vigilância, no jejum e na abstinência.  
Com este estado de alma, podemos ser comparados a uma majestosa montanha a convidar nossos semelhantes a galgar seu cume, habitat das almas generosas e que realmente amam a Deus. A liturgia da Quaresma nos apresenta no seu primeiro domingo o sermão da tentação de Jesus, para nos oferecer os meios de vencer o espírito maligno e contemplar um dia a Deus face a face no Céu, como Cristo diante dos apóstolos transfigurado no monte Tabor.
            Jesus quis ficar sozinho no deserto e ser tentado para nos ensinar a combater o inimigo. A Tradição afirma que naquela região deserta entre Jericó e Jerusalém – onde os ladrões perambulavam para roubar, saquear e matar – Adão foi derrotado pelo demônio. Mas que foi também ali que Jesus Cristo, o novo Adão, quis ir para vencer o espírito das trevas e consumar depois a Redenção com a morte de Cruz.