sábado, 27 de agosto de 2016

Se Jacinta vivesse hoje...

Padre David Francisquini

Se as crises e catástrofes de nossos dias, portadoras de trevas, coincidem com o que a Virgem de Fátima proclamou em 1917 aos três pequenos pastores na Cova da Iria, como Mãe também garantiu aos seus filhos que as trevas seriam dissipadas pela luz através da devoção ao seu Imaculado Coração.
Diante do paradoxo, a alma cristã sente a sua contingência e se volta confiante, na certeza do triunfo, para Aquele que é “o caminho, a verdade e a vida”. Segundo São Luís Grignion de Montfort, a era prenunciada por Fátima será a mais brilhante da história da Igreja.
Para esse período de fé, de certeza, de ordem, de piedade e de paz, a Virgem pediu a consagração do mundo, com especial menção da Rússia, ao seu Imaculado Coração. Caso seu pedido fosse aceito haveria paz; caso não, a Rússia espalharia seus erros pelo mundo promovendo guerras e perseguições à Igreja.
O Santo Padre o Papa, Vigário de Jesus Cristo, deveria consagrar a Rússia ao Seu Imaculado Coração em união com todos os bispos do mundo, no mesmo horário e momento em que a Cabeça da Igreja, representante de Jesus Cristo entre nós, procedesse à solicitada Consagração indicada pela Virgem.
Por que então Deus, através de sua santíssima Mãe, pediu ao Papa que consagrasse a Rússia ao Imaculado Coração de Maria como condição para que esta se convertesse? Por que o próprio Divino Filho não tomou a iniciativa de converter a Rússia sem exigir contrapartida do Papa?
Tudo leva a crer que Nosso Senhor tenha colocado essa condição para que a História registrasse a consagração, e mostrar assim a ação do Imaculado Coração de Maria sobre os grandes acontecimentos terrenos, favorecendo ao mesmo tempo a maior difusão possível da devoção a Ele.
Nestes 100 anos das aparições (1917-2017), os erros da Rússia penetraram em todos os campos da atividade humana, até mesmo dentro da Igreja Católica. Eis a razão das perseguições aos bons e de se promoverem desordens no campo moral como o aborto, a eutanásia, a ideologia de gênero, as uniões homossexuais. Afinal, o que resta da moral contida nas tábuas da Lei?
Lendo recente obra publicada pelo Carmelo de Coimbra – Um Caminho Sob o Olhar de Maria –, encontrei fatos interessantes que elucidam a situação angustiante da atual crise moral e religiosa, sem dúvida consequência do não atendimento dos apelos da Virgem à conversão e à penitência.
A Irmã Lúcia, em carta ao Bispo de Leiria, afirma: “Jacinta se impressionava muito com algumas coisas reveladas no segredo e no seu amor ao santo padre e aos pecadores dizia-me muitas vezes: coitadinho do Santo Padre, tenho muita pena dos pecadores.
E prossegue: “Se ela vivesse agora que estas coisas estão perto de acontecer, quanto mais não se impressionaria. Se o mundo conhecesse o momento da graça que ainda lhe é concedido e fizesse penitência! O tempo passa, as almas não morrem, a eternidade permanece!
Em outro lugar, Lúcia fala que na terra purificada haverá uma só fé, um só batismo, uma santa Igreja Católica Apostólica, como a exclamar o triunfo do Corpo Místico de Cristo através do Imaculado Coração de Maria, quebrando o processo revolucionário, como uma serpente insidiosa e peçonhenta, que vem se arrastando em meio a revoluções e guerras ao longo de mais de 500 anos.
Digna de nota nesse sentido foi a expressão de Paulo VI ao afirmar que de algum modo a fumaça de Satanás invadiu o Templo Santo. Seria desalentadora a situação caso não existisse a garantia de Nosso Senhor Jesus Cristo de que as portas do inferno não prevalecerão contra a Santa Igreja.
Ademais, teremos sempre no Coração Imaculado de Maria Santíssima o “refugium nostrum” de cada dia para as dores e angústias que solapam a nossa fé e atentam contra as nossas esperanças. E por maiores que nos pareçam as provações, esta devoção nos assegura que o socorro e o anteparo não nos faltarão jamais.
Outro aspecto de suma importância: para os que recorrem a Nossa Senhora com confiança, Ela é “terrível como um exército em ordem de batalha” para os inimigos da Igreja.
Estas reflexões são de molde a nos dar a certeza de que estamos trilhando o caminho certo ao recorrermos aos favores de tão boa Mãe. Em estreita união com o seu Imaculado Coração, avançaremos resolutos ao encontro do seu divino Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, pois onde está Maria, está Jesus Cristo.
Na linguagem aquilatada e cheia de amor de Deus de São João Eudes desprende-se uma maravilha do pensamento: ele nos diz que Jesus está tão intimamente ligado a Maria, que é mais fácil apartar do fogo o calor, do que separar Maria de Jesus.

Aprendamos d’Ela e com Ela, para buscarmos este progresso junto ao seu Imaculado Coração, sobretudo em ocasiões como a sua festa transcorrida no dia 22 de agosto.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

A sublimidade da Igreja em dois cortejos

Pe. David Francisquini

Funeral de São Martinho (1312-1317)
Para exercer sua ação sublime e benfazeja sobre os fiéis, a Santa Igreja Católica Apostólica Romana fez desabrochar ao longo dos séculos uma realidade rica em imponderáveis.
Por exemplo, quando um cortejo fúnebre entra numa igreja, o padre faz uma breve oração junto à porta, para indicar que é a última vez que o defunto entra naquele recinto sagrado. Se ele for um leigo, estará com os pés voltados para o altar e a cabeça em direção à porta, para ensinar que era com os pés ele ia à igreja cumprir os preceitos sagrados.
Se o defunto for um sacerdote, ele estará revestido dos paramentos sagrados e, por encontrar-se na casa de Deus, onde exercera seu ministério e por vezes passara a vida, sua posição no ataúde será com os pés voltados para a porta da igreja e a cabeça em direção ao altar, indicando tratar-se de pessoa sagrada.
Com isso a Igreja ensina aos sacerdotes e aos fiéis seus deveres recíprocos, ou seja, de não se furtarem à missão de conduzir as almas a Deus e de não viverem alheios ao ambiente sagrado.


Outro exemplo. Numa cerimônia batismal, o padre exerce a função sagrada de trazer um pagão para o seio da Santa Igreja. Neste sacramento há um imponderável digno de ser lembrado. Revestido de sobrepeliz e estola roxa, ele espera o cortejo na entrada da igreja junto à pia batismal, a fim de indicar que o batismo é a porta da Igreja pela qual, para se tornar cristão, é preciso passar.
Para tornar-se cristão, membro de Cristo, é necessário receber o batismo, sem o qual não há salvação, como disse o Salvador: “Quem não renascer pela água e pelo Espírito Santo, não poderá entrar no reino do Céu”.
Assim como não se entra numa casa sem passar pela porta, também não se pertence à Igreja sem passar pelo batismo. É através dele que se renasce, pela água e pelo Espírito Santo.
A Igreja é sublime e, portanto, contrária à vulgaridade, sendo esta uma das razões pelas quais o mundo moderno, igualitário, medíocre e laico A desdenha.
Assim, ao começar o cerimonial do batismo, estabelece-se um diálogo entre o celebrante e a criança, representada pelos padrinhos, no qual se diz:
— “Que pedes à Igreja de Deus? A Fé, dizem os padrinhos.
— Que te alcança a Fé? A vida eterna.
— Se queres entrar na Vida Eterna, observa os mandamentos: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de toda a tua mente e a teu próximo como a ti mesmo”. Em seguida, o sacerdote insufla três vezes a face da criança e diz:
“Retira-te dela espírito imundo e dá lugar ao Espírito Santo Paráclito”.
Na sua liturgia, a Igreja associa a fé ao espírito de luta contra o mundo, o demônio e a carne. Ao traçar uma cruz na fronte e no coração do batizando, Ela o conclama a ser fiel aos preceitos divinos e aos bons costumes, condição necessária para ser o templo de Deus.
Essa ação da Igreja nas almas assemelha-se à ação da família com relação aos seus filhos. Para cerceá-la, procura-se desfigurar as famílias pelo divórcio, pelos prazeres desordenados, pelo ambiente frenético crescente, exercendo assim um trabalho incessante para descaracterizar a instituição familiar, que é um reflexo da instituição divina da Igreja.
Fazer mal à família é prejudicar a Igreja, é estraçalhar esta simbologia de que fala São Paulo Apóstolo:“Como o marido é a cabeça da mulher, Cristo é a cabeça da Igreja, seu corpo, do qual Ele é o Salvador” (Ef. 5,23).
Nossa Senhora de Fátima
O modo de agir da Esposa de Cristo opõe-se a ação do mundo e do demônio nas almas e fundamenta a esperança e a certeza de que essa missão salvadora, atuante dentro dos ambientes, age de modo sutil, criando condições e ambiente para a salvação eterna.
A maior conquista do processo revolucionário em cinco séculos de destruição da Civilização Cristã foi ter conseguido penetrar no recinto sagrado da Igreja Católica para mudar suas instituições, sua doutrina, e perverter assim a mentalidade dos que professem a Religião verdadeira.


Lutero
Dois acontecimentos diametralmente opostos serão comemorados em 2017: o centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima e os 500 anos da Revolução Protestante luterana. Enquanto os verdadeiros católicos procuram enaltecer a Mãe de Deus e colocar em prática os pedidos feitos por Ela em 1917, os católicos progressistas, pelo contrário, se preparam para comemorar o heresiarca Martinho Lutero, o qual, segundo eles, teria realizado “algo de bom e de vantajoso” em favor da Igreja Católica!



Não se entende como um inimigo tão perverso, com sanha persecutória, possa realizar algo em favor d’Aquela que ele pretendia destruir. Mas, em todos os momentos de crise, não falta à Santa Igreja a proteção do Espírito Santo. Basta que seus ministros O invoquem para que todo o processo conspiratório se desvaneça.Portanto, no atual e crítico impasse em que nos encontramos, com a Igreja aparentemente convertida em “uma sociedade puramente humana, uma simples ONG”, conforme aludiu o Cardeal Robert Sarah (prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos), impõe-se a adesão e a atuação clara e enfática de todo o clero a uma situação em que Deus volte a ser o centro das cogitações humanas; e, especialmente, esteja no âmago das celebrações litúrgicas na realização do cerimonial católico.