terça-feira, 5 de abril de 2011

Pertencer à Igreja (final)



*Pe. David Francisquini

 
Tratamos em dois artigos anteriores (Pertencer à Igreja I e II) sobre os fundamentos da Igreja Católica lançados por Jesus Cristo ao iniciar a sua vida pública. Reunindo seus discípulos, escolhendo os 12 Apóstolos e pregando o Reino de Deus na terra, ao ser elevado na Cruz, Ele atraiu a Si todos os que seguiriam seus ensinamentos e seriam batizados.
A promulgação se deu no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo pairou sobre os Apóstolos reunidos com Maria Santíssima no Cenáculo. São João Crisóstomo diz que os Apóstolos saíram de lá não com as tábuas de pedra como o fez Moisés, mas trazendo consigo o Espírito Santo e comunicando-O aos outros como um grande tesouro de verdades e de graças.
Nesse dia converteram-se três mil pessoas, recebendo o batismo pela pregação de São Pedro. O grande Santo Agostinho ensinou a doutrina de nossa incorporação ao Corpo Místico de Cristo – que é a Igreja – através do batismo, meio indispensável tanto para a salvação como para pertencer à Igreja.
Jesus Cristo fundou uma só Igreja para todos os homens em todos os tempos – um só Deus, um só Batismo, os mesmos sacramentos e os mesmos Mandamentos, em todos os lugares e em todos os tempos. A veracidade da Igreja se conhece por ser Una, Santa, Católica e Apostólica. Essas quatro prerrogativas só se encontram na Igreja que tem por chefe o Bispo de Roma, por isso também ela é chamada Romana. São Paulo chama a Igreja de “coluna e fundamento da verdade”, (I. Tim. 3, 15).
Só a Igreja Católica é indispensável para a salvação, porque é o meio instituído por Jesus Cristo, sem o qual não se pode alcançar a vida eterna. Abandoná-la é uma apostasia, e rompe com Jesus Cristo quem rompe com a Igreja. Nosso Senhor ensina numa de suas parábolas que quem rompe com a vide, seus galhos secam e são lançados ao fogo; portanto, perde a fé e está no caminho da perdição eterna.
Por isso devemos pedir a Deus e à Santíssima Virgem Maria, ao nosso Anjo da Guarda e ao anjo da guarda da Santa Igreja, São Miguel Arcanjo, para que não permitam que resvalemos na Fé e nos afastemos da Igreja, porque só Ela tem, como Corpo Místico de Cristo, palavras de vida eterna.
Alguém poderia perguntar: – Qual é o papel do sacerdote na Igreja? – Ninguém possui meios tão excelentes quanto eficazes para a santificação do que um padre vivendo numa paróquia, rezando diariamente o Ofício divino, celebrando o santo sacrifício da Missa, administrando os sacramentos, atendendo os moribundos, instruindo as crianças, aconselhando e dirigindo os jovens, harmonizando e educando as famílias. Mas será assunto para outra matéria.