terça-feira, 28 de abril de 2015

“Como é frequente esta cena!”


    Na sua infinita sabedoria, Nosso Senhor utiliza a parábola da vinha pertencente a um bom e honesto pai de família que a havia arrendado para alguns vinhateiros que se revelaram maus. De tempos em tempos ele enviava um de seus servos para receber o valor combinado do aluguel da propriedade. Mas seu representante era sempre escorraçado, apedrejado e morto pelos vis cultivadores, um tanto parecidos com os militantes do MST no Brasil de hoje.
    Acabrunhado com o que vinha acontecendo, ele resolveu enviar o seu próprio filho, na esperança de que fosse respeitado e recebesse a importância a que tinha direito por justiça. Mas em vão. Sabendo-o herdeiro da vinha, os lavradores o caluniaram, mataram-no e o lançaram fora da propriedade. Note o leitor que esta parábola o Divino Mestre a dirigiu aos sumos sacerdotes e aos fariseus no Templo, na semana que antecedeu a Sua crucifixão e morte.
    Os sacerdotes do Sinédrio – os maus lavradores – entenderam perfeitamente a parábola. O povo de Israel era a vinha mal administrada por eles... A grandeza da missão de cuidar desta vinha se vinculava ao fato de o pai de família a ter plantado, cercado de sebes, construído nela um lagar e edificado uma torre. Palavras candentes foram ditas por Jesus a respeito desta vinha predileta:
    “Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os que lhe foram enviados! Quantas vezes Eu quis reunir os seus filhos como a galinha reúne os seus pintainhos debaixo das suas asas, mas vós o rejeitastes! Eis que a vossa Casa ficará deserta. Eu vos digo que vós não me vereis mais até que digais: ‘Bendito o que vem em nome do Senhor! ’” (Lc, 13, 34).
    Este pai de família do qual Jesus fala na parábola é Deus Pai, que trata o homem como filho. A vinha é a casa de Israel; a sebe que rodeava a vinha eram os anjos que a guardavam; a lei era representada pelo lagar; a torre simbolizava o Templo e os lavradores maus, os sacerdotes da época. Porque São Lucas nos ensina que é necessário cumprir em relação a Nosso Senhor tudo o que está na Lei, nos profetas e nos salmos.
    Com esta parábola Jesus quis ensinar aos sumos sacerdotes que por causa de suas infidelidades a vinha lhes seria tirada e oferecida a outros vinhateiros, que a fariam frutificar em tempo oportuno, pois no Antigo Testamento a vinha do Senhor era representada pela Igreja mosaica.
    A partir da Paixão e morte de Nosso Senhor, Ele fundou uma nova igreja, a verdadeira vinha, e A entregou aos apóstolos. A Igreja Católica se plasmou e percorreu os séculos por toda a face da terra. Em outra ocasião, Cristo confirma que por meio do batismo todos os Seus seguidores farão parte desta Igreja por Ele fundada.
    Ao dar a vinha a outros vinhateiros esparsos por toda a Terra, sentando-se à mesa com Abraão, Isaac e Jacob no reino de Deus, fica assim confirmada a verdade pregada por um dos profetas de que a pedra antes rejeitada tornou-se a pedra angular, coisa maravilhosa a nossos olhos.
    Nosso Senhor tornou-se a pedra angular, a cabeça do Corpo Místico que é a Igreja, pois sendo crucificado e morto por aqueles que O rejeitaram, dirigiu-se aos gentios, e juntos constituíram esta pedra angular. Dois povos, os da raça de Jesus e os da gentilidade, se tornaram uma só cidade fiel e um só templo.

    A pedra rejeitada pelos doutores da lei antiga e toda a cúpula judaica passou a ser a cabeça da Igreja, pedra angular da ogiva que une judeus e gentios. Eis o mandamento admirável: “Ide por todo mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. O que crê e for batizado será salvo; o que porém, não crê, será condenado”.
    A Igreja assim edificada passou a confirmar a sua doutrina por meio de milagres que acompanham os que creem: “Expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas, manusearão as serpentes, e se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará mal; imporão as mãos sobre os enfermos e serão curados.” (Mc. 16,15-18). A Igreja instituída por Jesus Cristo é divinamente santa, ainda que hoje seja difícil ver a Sua santidade em seu componente humano, pois o sal deixou de salgar.
    Encerro com um pequeno exame de consciência, que extraio de alguns trechos da Via Sacra escrita por Plinio Corrêa de Oliveira em abril de 1941 para o jornal “O Legionário”:
“No caminho de nossa vida, vemos a Igreja que passa perseguida, açoitada, caluniada, odiada, e, ó meu Deus, por vezes até traída por muitos que se dizem filhos da luz só para melhor poderem propagar as trevas. Vemos isto. Na aparência a Igreja está fraca, vacilante, agonizante talvez. Na realidade, Ela é divinamente forte, como Jesus. Mas nós só vemos a fraqueza com os olhos da carne.
    “E somos tão míopes com os olhos da fé, que discernimos a custo a invencível força divina que a conservará sempre e sempre. A Igreja vai ser derrotada. Vai morrer. Eu, pôr ao serviço dessa perseguida, dessa caluniada, dessa derrotada, a exuberância de minhas forças, de minha mocidade, de meu entusiasmo? Nunca! Distanciemo-nos.
    “Não somos Cireneus. Cuidemos só e só de nossos interesses. Seremos advogados prósperos, comerciantes ricos, engenheiros bem colocados, médicos de boa clientela, jornalistas ilustres ou prestigiosos professores. E só no dia do Juízo é que compreenderemos o que perdemos quando a Santa Igreja passou por nosso caminho, e nós não a ajudamos!”
     E o ardoroso líder católico apontava o caminho: “Apostolado! Apostolado saturado de oração, impregnado de sacrifício. É este o meio pelo qual devemos ser Cireneus da Santa Igreja.”

sábado, 11 de abril de 2015

O vencedor da morte
Pe. David Francisquini

Tal é o temor dos inimigos de Nosso Senhor que, mesmo depois de Lhe infligir morte de cruz, arrancaram de Pilatos autorização para que o Seu sepulcro fosse selado e vigiado por guardas. Mas o ódio deles era perfeito. Não se contentaram com aquilo. Era preciso difamar, acusar o Inocente de sedutor; acusar os seus discípulos de embusteiros, capazes até de violar o sepulcro e roubarem o corpo do Senhor. Com efeito, a situação de todos aqueles que tramaram a Sua morte ficaria pior do que antes caso Cristo ressuscitasse.
Além de matar o Divino Salvador, era preciso conspurcar a sua honra. Quanto aos discípulos, tímidos e medrosos, jamais fariam por si mesmos aquilo que os inimigos lhes atribuíam. Eles, os algozes, conheciam os milagres de Nosso Senhor, inclusive a ressurreição de Lázaro. Conheciam a Sua vida exemplar, constante censura para eles. Jesus Cristo era a própria vida! Caso Ele ressuscitasse, pairaria sobre os criminosos uma séria ameaça. Seria o fim de uma vida fácil e despreocupada advinda do prestígio do mando.
Deus Pai, depois de criar o Céu e a Terra, criou numa sexta-feira o homem à Sua imagem e semelhança, e no sábado descansou. Cristo, por sua vez, morre numa sexta-feira e descansa tranquilo o sono dos justos no repouso do sepulcro. Como o profeta Jonas, que fica três dias e três noites no ventre da baleia, Cristo enquanto homem fica no seio da terra. Não há como contestar!
Posto que a nação judaica O rejeitara por infidelidade e incredulidade, os discípulos de Jesus tomaram o Antigo e o Novo Testamento e estabeleceram a Igreja Católica Apostólica Romana, fundada por Ele com as palavras: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”. Ela frutificou entre os povos pagãos, sobretudo pela ação dos apóstolos, ao levar-lhes a boa-nova de Cristo ressuscitado para que pudessem crer. Assim nasceu e foi moldada a civilização cristã.
Ao imaginar a Ressurreição de Cristo, aqueles que tramaram a Sua morte temeram, pois sua situação ficaria muito pior do que antes... Ao reconhecerem a verdade da Ressurreição pela boca dos guardas, desprezaram o arrependimento e a contrição do crime, e não fizeram penitência.
São Mateus, em sua narração evangélica, afirma que alguns guardas foram até à cidade dar a notícia da Ressurreição. Apenas tomaram conhecimento dela, os príncipes dos sacerdotes se reuniram e deliberaram subornar com grande soma de dinheiro aqueles guardas, para que dissessem que enquanto dormiam os discípulos roubaram o corpo do Senhor...
Foi por meio do dinheiro que os inimigos de Jesus manifestaram a sua ignomínia comprando Judas, o infame que entregou Jesus à morte. Foi também pelo dinheiro que os guardas se venderam para satisfazer os seus interesses mesquinhos e escusos. Tratava-se de dinheiro sagrado do Templo, mas os príncipes dos sacerdotes não tiveram escrúpulos ao desviar grande soma dele para propalar a mentira e negar a Ressurreição.
Não se contentaram, diz São Severo, em matar o Mestre, mas procuraram um meio de perder os discípulos, fazendo-os passar por criminosos diante do poder estabelecido. É incontestável que os soldados se deixaram corromper; os judeus haviam perdido a sua vítima e os discípulos recobrado o seu Mestre, não através do furto, mas pela fé; não pelo engano, senão pela virtude; não pelo crime, senão pela santidade; não morto, senão vivo.
Em sua maldade, a cúpula judaica acabou por fazer brilhar ainda com mais esplendor a grandeza do mistério que a Igreja comemora, pois o dinheiro para silenciar a Ressurreição de Cristo ressaltou a verdade. O verdadeiro Cordeiro Pascal imolado Se levanta glorioso e triunfante do sepulcro como vencedor da morte, do demônio, do mundo e da carne, para brilhar como um sol que espanca as trevas que cobrem o mundo e assentar sobre os escombros deste uma nova civilização marcada pela cruz.

Cristo ressuscitado, ao sair vitorioso do sepulcro, nos dá a esperança de uma nova civilização que raiará sobre o mundo descomposto em que vivemos. Os que permanecerem inabaláveis nos princípios perenes, unidos à Maria Santíssima, não terão o que temer, pois contam com a promessa de que as portas do inferno não prevalecerão.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

A maior tragédia da História 

Pe. David Francisquini

Não conseguindo incriminar Jesus, os sacerdotes contaram com a figura sinistra de Judas Iscariotes, um dos doze apóstolos, que nutria a pior das intenções em relação ao Mestre”
Sem temer a Deus e cometendo o maior crime de todos os tempos, a única preocupação dos príncipes dos sacerdotes ao se aproximar a Páscoa era de condenar Jesus Cristo à morte de Cruz. E procuravam afanosamente um meio para fazê-lo, cuidando para que o povo não soubesse de seus desígnios, pelo receio de uma sublevação.
Com os olhos postos apenas no campo temporal e político, a inveja dos sacerdotes lhes carcomia o coração. Procuravam uma justificativa para o crime como meio de aliviar suas consciências ímpias, agitadas pelo ódio diante dos grandes milagres de Jesus e da correspondente manifestação de afeto que o povo Lhe votava.
A ressurreição de Lázaro os deixou ainda mais perturbados, pois tendo Jesus encontrado seu amigo jazendo havia quatro dias na sepultura, ergue Sua voz de poder infinito e ordena a Lázaro que venha para fora. Compreende-se com facilidade a multidão que acorreu às ruas no Domingo de Ramos para aclamá-Lo filho de David, portanto, Rei.
Não conseguindo incriminar Jesus, os sacerdotes contaram com a figura sinistra de Judas Iscariotes, um dos doze apóstolos, que nutria a pior das intenções em relação ao Mestre. Ficou acertado de parte a parte que Judas receberia trinta dinheiros como paga de seu ofício sacrílego. As portas se abriram para que se consumasse a traição.
Judas abriu então seu coração a satanás. Com efeito, o Evangelho afirma que o demônio apossou-se dele por causa de sua ganância, insensibilidade e cobiça. Havia muito que Judas se voltara tão-só para a satisfação de seus próprios interesses e caprichos, pois sonhava em ocupar alta posição no Reino do Divino Mestre.
Nele não havia admiração ou enlevo pelo Divino Mestre, que conduziria ao desapego e à dedicação, mas seu arraigado desamor fazia com que tudo aquilo que era lançado na bolsa para o bem comum de todos, ele apropriava para si. Muitos ficavam perplexos diante da brutalidade de Judas, não entendendo por que Jesus o tolerava entre os seus escolhidos. Sendo Deus, como poderia ter escolhido um homem tão vil para evangelizar a Terra?
Isso não quer dizer que Judas, o traidor infame, tenha se corrompido de uma hora para outra. Ao entrar no Colégio Apostólico, ele certamente teve verdadeira admiração pelo Divino Mestre. Mas à medida que se deixava aliciar pela avareza foi paulatinamente se distanciando, até perpetrar a traição mais abjeta da História.
 Percebendo a decadência de Judas e sabendo que ele era o homem previsto pelos profetas para consumar a sua traição, Jesus fez de tudo para dissuadi-lo. E São João narra que Iscariotes, ao receber um pedaço de pão molhado no vinho, sinal de distinção e apreço, renunciou esta última graça, e satanás entrara em seu coração.
Segundo Santo Agostinho, ao tolerar Judas no Colégio Apostólico, Jesus quis ensinar às gerações futuras que poderia haver bispos e hierarcas que incorreriam em deslizes, maus exemplos e mesmo em heresias, facilitando assim ao povo fiel a compreensão das tramas que se dariam no seio da Igreja.
Assim, vislumbramos as traições perpetradas por heresiarcas dentro das fileiras católicas ao longo dos séculos. Judas, escolhido pelo próprio Nosso Senhor, aliou-se aos inimigos e decidiu liquidar com Aquele que veio à Terra fazer o bem. É triste recordar essa verdade, na mesma noite em que Cristo quis permanecer entre nós pela Eucaristia.
A palavra de Nosso Senhor ecoou entre os apóstolos... “Ai daquele por quem o Filho
do homem será entregue; melhor fora que não tivesse nascido”. Sua profecia deixou a todos desconcertados. Mas, ao mesmo tempo, Ele nunca deixava de lhes fazer sentir sua grande bondade e poder para tirar as almas pecadoras do vício e do mal.
Ao proferir essas palavras relativas a Judas, Cristo nos faz compreender a malícia do traidor, que não se dissuadiu e consumou a sua perfídia. Mesmo participando do mais elevado mistério daquela noite, a Eucaristia, ele não se converteu, tornando-se sua culpa por isso ainda maior, pois se aproximou da Sagrada Mesa com o intuito de entregar Jesus aos seus algozes.
Nosso Senhor não declinou o nome de Iscariotes para que este não ficasse espiritualmente ainda pior. Apenas assinalou o crime e o castigo ao qual incorreria quem o praticasse, para que a ameaça levasse Judas a afastar-se de sua má conduta.
Osculando-o no Jardim das Oliveiras, Jesus o trata como amigo: “Amigo, a quê vieste? Com um ósculo trais o Filho do homem?”. Jesus o disse com tanta bondade e censura, que era para Judas ter-se ajoelhado diante d’Ele e pedido perdão. No entanto, permaneceu insensível em relação à ferocidade do crime que acabava de cometer.

Apanhou o dinheiro das mãos dos inimigos em paga de sua traição... e foi se enforcar.