quarta-feira, 25 de abril de 2012


Santo Agostinho, Bento XVI e Cuba
  
                                                                                                        *Pe. David Francisquini

Hoje é evidente que a ideologia marxista, na forma em que foi concebida, já não corresponde à realidade(S.S. Bento XVI, in OESP 24/3/12, pg. A26).
Perplexo, um amigo me procurou e disse: “Padre, o que se conclui das palavras de Sua Santidade é que se hoje é evidente que a ideologia marxista já não corresponde à realidade, antes não era evidente, portanto, ela correspondia à realidade”.
E acrescentou: “Ora, tendo diversos predecessores de Bento XVI condenado essa ideologia como intrinsecamente perversa e oposta per diametrum à doutrina católica, eu simplesmente não compreendo como ela pode ter sido em algum momento aceitável e correspondido à realidade das coisas”.
Pus-me então a refletir e concluí que não tinha como discordar, pois de fato muitos Papas afirmaram que o marxismo – ideologia que nega a Deus e os frutos da Redenção ao pregar o materialismo como ideal metafísico – é intrinsecamente perverso. E os regimes que o adotam não apenas pregam, mas combatem por todos os meios, a civilização cristã e os valores emanados do Supremo Magistério da Igreja.
Enquanto refletia, passavam pela minha mente algumas notícias que eu acabava de ler nos jornais. Uma delas informava que o cardeal de Havana, D. Jaime Ortega, chamou a polícia comunista para expulsar de uma igreja os católicos que ali estavam em vigília de orações para protestar contra o regime opressor. Outra notícia dizia que o Núncio Apostólico se negou a receber uma comitiva de católicos perseguidos pelo comunismo que lhe fora pedir para ter um breve encontro com Bento XVI.
Pensei comigo: se os próprios prelados cuja obrigação é defender o seu rebanho o tratam deste modo, o que dizer então dos ditadores comunistas e de seus sequazes?
Entre uma declaração perplexitante e dois fatos concretos angustiantes recorri a Santo Agostinho. Nele encontrei estas considerações sobre a Santa Igreja repassadas de unção, que me muito me consolaram.
 “Ó Santa Igreja de Deus, tu conduzes e instruis as crianças com ternura, os jovens com força, os anciãos com calma, como comporta à idade, não apenas do corpo, mas ainda da alma. [...] Tu ensinas aos reis que se devem dedicar a seus povos, e prescreves aos povos que se submetam aos reis. Tu ensinas com cuidado a quem se deve a honra, a quem o afeto, a quem o respeito, a quem o temor, a quem a consolação, a quem a advertência, a quem o estímulo, a quem a correção, a quem a repreensão e a quem o castigo. Tu fazes saber como, se nem todas as coisas são devidas indistintamente a todos, a todos se deve a caridade e a ninguém a injustiça” (De moribus Ecclesiae, cap. XXX, nº 63).
Com efeito, após essa bela apóstrofe de Santo Agostinho, basta um breve exame da doutrina da Igreja e de sua História para nos darmos conta de até que ponto ela é verídica para todos os povos e em todas as épocas.
Haveria para o Estado interesse mais fundamental, mais indispensável, mais sagrado do que se enriquecer com os inestimáveis benefícios que só da ação da Igreja — acentuamos a palavra “só” — lhe pode provir? Só a Igreja é capaz de unir, não só em sociedade, mas numa espécie de convivência pacífica, os cidadãos aos cidadãos, as nações às nações e os homens entre si pela lembrança de nossos primeiros pais.
Ressalta ainda o grande Santo Agostinho que, se seguir o que Nosso Senhor nos ensinou, a sociedade inteira tenderá naturalmente ao progresso, ao bem-estar e à harmonia.
Exatamente isso é que não existe em Cuba após mais de 50 anos de comunismo, pois seu regime proíbe a propriedade particular assegurada em dois Mandamentos da Lei de Deus, coíbe a livre iniciativa, nega a família e a liberdade enquanto direitos fundamentais da pessoa humana. Em suma, Cuba é a própria injustiça que tornou a vida desumana, fruto da ideologia marxista – tanto de ontem como de hoje.