quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

O anjo da guarda, nosso melhor amigo (II)

O anjo da guarda, nosso melhor amigo (II)


Pe. David Francisquini*


Hoje retorno à matéria sobre o Anjo da Guarda, que Deus criou para sua glória e seu serviço, tendo-o colocado como guarda de cada criatura humana no seu peregrinar pela terra. Dada a sua união conosco nesse vale de lágrimas, certamente permanecerá conosco no Céu como cicerone dos insondáveis tesouros e mistérios de Deus por toda a eternidade.
Contudo, ele não acompanhará o precito no caminho das trevas, pois se ele escolheu com pleno conhecimento e pleno consentimento as sendas do Inferno é por que rompeu com o celestial amigo e advogado. O Anjo da Guarda faz de tudo para evitar que a pessoa a ele confiada se condene, mas o livre arbítrio poderá levá-la a glorificar a Deus na sua Justiça...
Procuremos em todas as ocasiões honrar, amar e obedecer as suas inspirações, além de recorrer a ele com devoção e confiança. Dotado de excelentes qualidades e perfeições, este Anjo nos guia nas vias do bem, no combate renhido contra o mal, o demônio, o mundo e a carne corrompida pelo pecado original.
Com efeito, não há combatente mais destro, mais hábil, mais corajoso e destemido que o nosso Anjo da Guarda. Durante a guerra travada no Céu contra Lúcifer e os anjos rebeldes, nosso Anjo da Guarda lutou bravamente sob o comando do generalíssimo São Miguel Arcanjo. Foi o suficiente para habilitá-lo a combater com igual denodo aqui na terra.
É doutrina dos doutores da Igreja que a paróquia, a diocese, as cidades, as nações, as famílias, as instituições possuem também o seu Anjo da Guarda para dar combate àqueles que trabalham para o demônio e para a perdição das almas. Onde quer que estejamos aí estará o Anjo para dar testemunho de nossas obras, para nos defender das ciladas e dos embustes do demônio.
Aproveito a ocasião para esclarecer a idéia falsa, aliás, muito propagada de que o anjo da guarda só protege as criancinhas. Convém ressaltar que os demônios – anjos rebelados – nos são sempre hostis, procurando de todas as formas nos fazer o mal tanto na alma como no corpo. Invejosos, cheios de ódio e fúria, procuram nos seduzir ao pecado.
Eles chegam mesmo a ter poder – com a permissão divina – de nos prejudicar na saúde e nos bens espirituais e materiais, como aconteceu com o bom servo Jó. Daí a importância de sempre recorrermos a São Miguel Arcanjo e ao anjo da guarda. Alerta-nos São Pedro que o demônio está ao nosso redor, como um leão furioso, procurando a nossa perdição, (1 Petr. V, 8-9).
Por outro lado nesta ferrenha luta nos chama atenção São Paulo de estarmos atentos na peleja “contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra os espíritos malignos espalhados pelos ares,“ (Efe. VI, 12). É bom termos sempre diante dos olhos o Anjo da Guarda, pois não nos abandonará nessa batalha que só terminará com a morte.
Coloco à disposição dos leitores duas orações preciosas dirigidas uma a São Miguel Arcanjo:
– São Miguel Arcanjo, protegei-nos no combate, cobri-nos com vosso escudo contra os embustes e ciladas do demônio. Subjugue-o Deus, instantemente o pedimos. E Vós Príncipe da Milícia Celeste, pelo divino poder, precipitai no inferno satanás e os outros espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas.
– A outra, ao nosso Anjo da Guarda particular: Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador, se a ti me confiou a piedade divina, sempre me rege, guarda e ilumina. Amém.