domingo, 28 de fevereiro de 2010

Bons tempos em que se morria para não pecar



Encerro hoje a série de artigos sobre Santa Maria Goretti. Ela abria e terminava seu dia com o Sinal da Cruz. Sem caprichos nem manhas e sempre generosa, revelava reflexão superior à sua idade. Aos seis anos de idade recebeu a Santa Crisma.
Para tentar melhorar suas condições precárias, a família se mudou para Colle Gianturco, local do martírio. Depois da morte do pai – conta-nos sua mãe Assunta – a filha procurava lhe fortalecer o ânimo.
Nas agruras, ela dizia a sua mãe: “Por que esse medo, mamãe? Daqui a pouco estaremos – eram seis filhos – crescidos. Basta que Nosso Senhor nos dê saúde e a Providência nos ajudará”. Modelo de confiança!
Com a sabedoria de quem sabe aproveitar o tempo com método e disciplina, conhecia o segredo da vida. Com a morte do pai, seu programa de ouro foi assumir a responsabilidade do lar e o cuidado e a formação dos irmãos.
Era de angélica pureza. O assassino confessa jamais ter notado nela o menor ato contrário a essa virtude. Chegava a rir discretamente das colegas que paravam diante de espelhos ou das vidraças para arranjar os cabelos. Ao ouvir palavras inconvenientes, nunca deixava de manifestar seu desagrado.
Em contrapartida, quão diferente foi a educação de seu verdugo, de nome Alexandre! Seu pai não praticava a religião, acreditando vagamente na existência de Deus. Possuía ainda caráter autoritário e era dado ao vício do álcool. A própria mãe, já meio louca, tentara afogar o filho quando este era criança.

Órfão de mãe ainda novo, não conheceu os carinhos, a bondade e o afeto materno, sendo criado como um estranho. Ao pai recai a acusação de ter cultivado a perversão do filho nas más leituras, apesar de ter sido batizado, aprendido um pouco o catecismo, a ler e escrever.
A situação de Alexandre se agravou quando ele foi marinheiro, tendo ali se pervertido ainda mais, devido às más companhias. Contudo, ainda não perdia missa e era respeitoso com o pai. Era de gênio fechado, frio, solitário.
Costumava trancar-se no quarto, onde alimentava o vício da impureza através de más leituras que o próprio pai lhe proporcionava. Revestia as paredes com figuras de jornais e revistas indecentes.
O vício criou nele raízes profundas. Penetrado de um impulso satânico, Alexandre decidiu destruir a inocência e a pureza de coração da santa. Caso ela resistisse às suas impetuosas paixões, ele havia decidido matá-la. Contudo, a força de seu ódio não pôde prevalecer contra o rochedo intransponível de quem prefere morrer a se deixar contaminar pelo vício impuro.
Deparamo-nos assim com dois modelos de educação e de vida. A primeira banhada pela luz da graça e da vida sobrenatural. A segunda, por ódio à virtude e à vida exemplar. Ao tentar diabólica e inutilmente impor sua devassidão à santa, assassinou-a. Foi preso e cumpriu pena. Contudo, teve de lamentar pelo resto da vida o seu ato infame.
Mas o heroísmo da menina cheia de força atingiu tal cume, que levou o próprio assassino à conversão. Perdoou-o e disse que o levaria para o Céu. Sua conversão foi seguida de penitência numa cela de um convento de religiosos.