terça-feira, 8 de maio de 2012


Ai dos vencidos!

*Pe. David Francisquini

Os limites de meu mais recente artigo (Santo Agostinho, Bento XVI e Cuba) fazem-me retornar hoje ao tema, a fim de expor mais algumas considerações que considero oportunas. Tínhamos já visto que o regime cubano, porque profundamente ditatorial e persecutório – e, sobretudo, por importar num pecado coletivo e oficial –, é contrário à Revelação e ao Magistério da Igreja.
Com efeito, o Estado comunista cubano impõe leis que propagam o amor livre, eliminam a família indissolúvel, instalam o divórcio e promovem o aborto, além de facilitar toda sorte de aberração, por mais antinatural que seja, como corromper a inocência das crianças e dos jovens ao pregar a negação de Deus e da alma.
Uma das conseqüências imediatas dessa iniqüidade coletiva é a criação de um ambiente nefasto e próprio a conduzir as pessoas a cometerem pecados individualmente. Pois os maus exemplos instalados na sociedade constituem matéria-prima para se esquecer de Deus, da fé e da religião e de tudo que Nosso Senhor Jesus Cristo sofreu em sua Paixão e Morte.
Ao negar os frutos da Paixão de Cristo – tão bem assinalados por Santo Agostinho, conforme mostramos no artigo anterior – é a sociedade cubana inteira que tenderá naturalmente a rolar precipício abaixo rumo ao caos e à miséria. Ao proibir os cidadãos de cumprir seus deveres para com Deus e para com o próximo, o Estado concorre em larga medida para a perdição das almas.
 O regime cubano se encontra nos antípodas do ensinamento de Leão XIII quando nos fala sobre os tempos áureos da Santa Igreja na Idade Média: “A filosofia dos Evangelhos governava os povos. E graças ao favor dos príncipes e a proteção dos magistrados, havia entre a Igreja e o Estado uma feliz concórdia e uma permuta amistosa de bons ofícios e por isso mesmo houve um florescimento que artifício algum dos inimigos da Igreja pode negar e subestimar”.
Diante da realidade vigente em Cuba, algum leitor poderia me perguntar: – Qual deveria ser a atitude das autoridades eclesiásticas? – Pactuar? – Recuar? – Ou seguir as pegadas dos mártires que preferiram seguir as Leis de Deus à lei dos homens? A este hipotético leitor eu respondo colocando inicialmente outra pergunta: – Afinal, o que pudemos constatar de fato durante a viagem de Bento XVI a Cuba?
Tomamos conhecimento, entre outras coisas, de que o Cardeal Ortega mandou a polícia prender os que reagiam contra o regime castrista rezando no interior da Catedral de Havana... E o próprio Núncio Apostólico se negou a receber aqueles que desejavam lhe expor, enquanto representante do Pastor dos pastores, a situação desumana em que se encontram na Ilha-cárcere... 
Triste o paradoxo de pastores que entregam ao lobo suas ovelhas! Como na época dos imperadores romanos, as ovelhas talvez ainda possam exclamar “Vae victis!” (Ai dos vencidos!)