quarta-feira, 16 de março de 2011

Pertencer à Igreja (I)
                                                                                                              *Padre David Francisquini


Entre os doze artigos do Credo, há um que afirma: “Creio na Santa Igreja Católica”. Os leitores sabem que não nos referimos apenas ao edifício material, onde os fiéis se reúnem para rezar, pagar seu tributo de amor a Deus pelos benefícios auferidos, receber os sacramentos e assistir ao Santo Sacrifício da Missa.
As homenagens que prestamos a Deus se chamam religião, enquanto o templo material se chama casa de Deus ou casa de oração. Mas afinal, o que é a Igreja Católica, Apostólica Romana? – É um grupo de fiéis reunidos que professam a mesma fé, participam dos mesmos sacramentos e estão submissos aos legítimos prelados, sobretudo ao Papa.
Com efeito, o Romano Pontífice é o Vigário de Cristo e a cabeça visível da Igreja, enquanto Jesus Cristo é a cabeça invisível. A Igreja é um corpo moral, Reino de Jesus Cristo ou Corpo Místico de Cristo. Seu corpo docente – a hierarquia – deve governar, ensinar e santificar, enquanto os fiéis, membros da Igreja discente, devem ser governados, instruídos e santificados.
Os que pertencem à hierarquia – papas, bispos e sacerdotes –recebem o Sacramento da Ordem, ao passo que os fiéis fazem parte da Igreja pelo batismo, porta de entrada de todos na Igreja Católica, fora da qual não há salvação. Contudo, não basta pertencer à Igreja para se salvar, é preciso ser membro vivo d’Ela, estar na graça de Deus.
Como escreveu Plinio Corrêa de Oliveira numa de suas belas Vias Sacras, “pertencer à Igreja é coisa muito alta e muito árdua. Devemos pensar como a Igreja pensa, sentir como a Igreja sente, agir como a Igreja quer que procedamos em todas as circunstâncias de nossa vida. Isto supõe um senso católico real, uma pureza de costumes autêntica e completa, uma piedade profunda e sincera”.
A Arca de Noé é apontada como uma prefigura da Santa Igreja de Cristo, pois todos os que nela entraram encontraram a salvação no dilúvio universal. Portanto, a nova arca da aliança é a barca de Pedro, ou seja, a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra Ela”.
Na Cruz, a Igreja saiu do lado de Jesus Cristo, como do lado de Adão surgiu Eva. Por isso a Igreja é a Esposa de Cristo. E todos nós, batizados, fazemos parte de Cristo como membros. Os que por ignorância invencível ou por impossibilidade de pertencerem à Igreja Católica procuram agir retamente pertencem à alma d’Ela pelo desejo ou pelo voto.
Os trigais, a vinha e os sarmentos, o grãozinho de mostarda, a parábola do bom pastor, o agricultor que saiu a semear no campo, os trabalhadores que foram contratados para trabalhar na vinha, a parábola do banquete, são exemplos entre outros da expansão da Igreja, de sua vitalidade, da sua força e da sua fundação. Através de suas maravilhosas parábolas, o Divino Mestre nos dá ensinamentos em profusão para que possamos entender a Santa Igreja. Revestido dos poderes sacerdotais da Santa Igreja de Jesus Cristo, tenho a obrigação de conduzir, evangelizar, converter e santificar as almas, por cujo bom ou mau desempenho eu deverei um dia prestar contas a Deus. Como deverá prestá-las cada fiel em particular, porque “pertencer à Igreja é coisa muito alta e muito árdua”. Mas vale a pena. Como nos foi prometido, a recompensa será demasiadamente grande e eterna!

Até breve, quando eu retomar ao tema.