quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Odeio a classe média

*Pe. David Francisquini


Circulou e ainda circula pela internet um vídeo no qual a Profa. Marilene Chauí – sob os olhares complacentes, gargalhadas e aplausos do Sr. Lula da Silva –, afirmou odiar a classe média pelo fato de a mesma ser conservadora, fascista, terrorista, petulante, estúpida, ignorante, de ser um atraso de vida, e outras coisas mais http://www.youtube.com/watch?v=uhpsgGjDuI4
Referiu-se ainda ao programa ‘bolsa família’ como representando grande avanço na liberdade e emancipação da mulher em razão de ter contribuído para mudar o conjunto de relações interpessoais ao alterar a maneira tradicional de configurar a família trabalhadora no Brasil, e em consequência deixou a mulher financeiramente autônoma do marido.
Para a intelectual revolucionária apresentada como figura exponencial do pensamento filosófico do PT, tal conquista da mulher configurou uma vitória mais importante do que 60 anos de luta feminista, portanto uma ação ‘maravilhosa’ do governo petista na mudança de mentalidade da conservadora sociedade brasileira a justo título herdeira dos princípios cristãos.
O que se depreende de sua conferência é a luta de classes condenada pelos papas de Leão XIII a Bento XVI, pois o mandato divino que impõe ao casal a união em um só corpo para constituir uma só família ficou fragmentado em decorrência da ideia de o Deus transcendente, regulador de todas as coisas, ter deixado de ser o centro da vida do homem.
São Paulo afirma que a mulher não deve se separar do marido e que, se o fizer, fique sem casar ou se reconcilie com ele. Por sua vez, o marido não deve repudiar a sua mulher. Mas, com a nova doutrina do PT, a mulher deve ser independente, dona de seu próprio dinheiro, totalmente livre, e não deve dizer ao marido o que ela faz ou deixa de fazer.
A proposta da professora da USP e amiga do PT se contrapõe ao ensinamento contido na Sagrada Escritura, que manda a mulher estar sujeita ao marido, e este de amar a sua esposa, como Cristo faz com a Igreja. Fácil concluir que a mulher acaba por se tornar um corpo estranho dentro do lar quando declara sua rebeldia e sua revolta a um ditame divino.
Irrisão! Ao introduzir o programa ‘bolsa família’, o PT não faz senão fragmentar a família, instituída por Deus para a perpetuação da espécie humana e comparada por São Paulo à figura e imagem da Igreja em relação a Jesus Cristo. Disto a professora petista não só passa recibo, mas se gaba, regozijando-se em destruir. 
Ela odeia a classe média por ser veículo da tradição e de valores morais e psicológicos, por constituir um fator de equilíbrio da sociedade. Na epístola aos efésios, São Paulo pede mais uma vez que todos obedeçam aos seus senhores temporais com reverência e solicitude, com sinceridade de coração, como se servissem ao Senhor, e não aos homens.
 “E vós, os senhores, fazei o mesmo com eles, pondo de parte as ameaças, sabendo que o Senhor, tanto deles quanto vosso, está nos Céus e que não faz acepção de pessoas” (Efésios, 6, 1-9). Nota-se que o PT ensina, pela palavra e pelo exemplo, o ódio, a desarmonia, a rixa, a falcatrua e a libertinagem; um partido ateu, materialista, que prega o ódio e a luta de classes.

domingo, 1 de fevereiro de 2015


O exorcista
*Pe. David Francisquini

jesus liberta um possesso
As Sagradas Escrituras apresentam muitos casos de possessão diabólica, quando um ou mais demônios se apoderam das pessoas. No Novo Testamento, o evangelista São Mateus cita o mandado de Jesus Cristo: “Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios” (Mt 10,8).
Para São Boaventura, a argúcia e a espiritualidade dos demônios os levam a penetrar nos corpos e neles se fixarem; por sua força angélica, eles podem atormentá-los, a menos que o impeça um agente superior, ou seja, um padre exorcista. Adolphe Tanquerey, teólogo francês, assim explica a ação do demônio sobre os homens:
“Cioso de imitar a ação divina na alma dos santos, esforça-se o demônio por exercer também o seu império, ou antes, a sua tirania sobre os homens. Às vezes (...) instala-se no corpo e move-o a seu talante, como se fosse senhor dele, a fim de lançar a perturbação na alma”. A este fenômeno se chama possessão.
Os porcos se lançam nas profundezas do mar, após N.S.
ter expulsado o demônio
O possuído, às vezes se contorce, fala palavrões, se movimenta como se fosse uma serpente, se debate, quebra tudo ao seu redor, seus olhos se movimentam desordenadamente, entende a língua latina com perfeição, exerce uma ação demasiadamente grande, que usa da força que um ser humano é incapaz. Na residência onde vive ele impõe a desordem e o desequilíbrio.
A sua atuação, na cidade ou na região, é como se fosse uma cabeça de ponte para as influências malignas, em oposição à ação benfazeja da Eucaristia no sacrário. Sem dúvida, exerce uma ação diametralmente oposta à influência sacralizante da Igreja na sociedade.
Isso explica a razão pela qual as tendências, os humores, os pendores e as inclinações das pessoas da região onde vive o possesso fiquem mais vulneráveis às tentações e às infestações, bem como à aceitação de certas ideias, chavões, mentiras, boatos e pecados. Trata-se de uma ação sobre a opinião pública, criando clima psicológico favorável a atuação dos maus. O Ritual Romano – livro oficial do cerimonial eclesiástico – explica os sinais pelos quais se conhece a possessão.
O antídoto eficiente para combatê-la é o exorcismo, feito em nome de Deus e da Igreja. Ele
São Francisco de Assis no ministério do exorcitato,
expulsa os demônios pelas suas virtudes e oração em Arezzo
não apenas põe em fuga o demônio, devolvendo a paz à alma, mas abala todo o edifício satânico. A doutrina da ‘comunhão dos santos’ ensina que há comunicação espiritual entre os membros da Igreja. Por que não haveria a ‘comunhão dos condenados’?
Uma figura adequada para retratar esta realidade é a dos vasos comunicantes. Na comunhão dos santos, uma alma que faça um ato de virtude potencializa todas as virtudes dos fiéis e dos santos. Na ‘comunhão dos demônios’, um demônio que se apodera do corpo comunica a sua perfídia a todos os seus congêneres da terra, dos ares e do inferno. 
A possessão de um corpo equivale, portanto, a uma torre de comando através da qual os demônios exercem a sua ação malfazeja para destruir a sociedade. Só o exorcista tem o poder de quebrar esta comunicação entre os demônios e os homens, pois não basta uma simples pregação, um conselho ou uma admoestação. Isto ajuda, mas não basta.
Pela comunhão dos santos, o exorcista enxota o demônio com essas palavras: “Conjuro-te diante de Deus e pela autoridade a mim concedida pela Igreja, retira-te espírito maligno desta pobre criatura, em nome de Deus Pai, em nome de Deus Filho, em nome de Deus Espírito Santo, em nome da Santíssima Virgem e de todos os anjos e santos da Corte Celestial, retira-te espírito maligno e não o apoderes mais”.
Beato Palau, Exorcista
Esta ação do sacerdote, investido do poder divino e agindo em nome da Igreja, obriga o demônio a se retirar. Aparentemente ignorada, tal ação repercute na Corte celeste, na luta dos bons contra os maus. Pois se ao vicejar um vício todos os demais vícios ficam motivados e abalam as virtudes que se lhes são opostas, assim também se passa com a virtude: quando uma boa ação é praticada, todas as demais se revigoram.

Com efeito, nenhuma ação do homem é indiferente. Ao deixar o possuído, o demônio se contorce, estertora, lança-se de um lado para o outro; a estrutura dos demônios fica abalada pelas consequências daquela derrota. Em contrapartida, os fiéis se sentem fortalecidos nas suas virtudes, e Deus, Nossa Senhora e a Santa Igreja são glorificados.