quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Liturgicamente o Natal termina oficialmente quando se celebra a Apresentação do Menino Jesus no Templo e a purificação de Nossa Senhora, no dia 02 de fevereiro ao benzer as velas de cera. É por essa razão que postamos mais um artigo a respeito da chegada dos Reis Magos até Belém. Assim terminamos as considerações deste tempo sagrado e benfazejo à piedade cristã.

***

Luz que Herodes não contempla

                                                                                               Pe. David Francisquini


Encerrávamos o nosso recente artigo sobre o Natal com representantes de todas as nações da terra aos pés do Menino-Deus recostado numa manjedoura, envolto em panos pobres e rotos. A brilhante estrela que dissipou a neblina que envolvia todo o orbe guiou os Reis Magos – Melchior, Gaspar e Baltazar – até o presépio, onde, prostrados, ofereceram ao Rei dos reis ouro, incenso e mirra. 
Com os Magos veio um numeroso séquito para prestar homenagem ao Deus feito homem. Quanto à origem desses reis, consta que fossem descendentes de Balaão, aquele que profetizou que de Jacó nasceria uma estrela. O fato de chegarem treze dias depois do nascimento do Menino Jesus torna plausível a hipótese de que fossem da região fronteiriça com a Judéia.
Em seu ato de adoração, os Reis Magos Lhe ofereceram ouro em reconhecimento de Sua realeza e esplendor; incenso que com o seu crepitar e bom odor se eleva aos céus, símbolo da oração e devotamento; e mirra, em reconhecimento ao sacrifício da Redenção e do novo Sacerdócio que Ele veio instituir segundo a ordem de Melquisedec.
Com efeito, esses Reis vieram com pompa e majestade, para testemunhar a nobreza e grandeza do Menino que acabara de nascer em Belém de Judá. Guiou-os a estrela não porque esta influencia a vida humana, mas porque Jesus nasceu e é a origem dessa estrela que ilumina os céus no Oriente, cobrindo a terra inteira com a sua luz.
Enquanto os anjos anunciaram aos pastores o Natal de Cristo, a estrela O anunciava aos Magos, pois eles não tinham profetas como o povo eleito, e os céus têm linguagens diferentes para uns e outros povos. O surgimento da estrela foi ensejo de grande alegria para os gentios, pois eles viram nela a relação existente entre o Criador e seu Filho que se fez homem.
Se a estrela foi o caminho, o caminho é Cristo, pois, pelo mistério de sua encarnação, Cristo é nossa estrela, astro brilhante das manhãs que Herodes não contempla, e que volta aparecer aos Magos para indicar o caminho que os levava ao Salvador. Pode igualmente significar a graça de Deus e aquele que, pelo pecado, como Herodes se deixa sujeitar ao império de satanás e perde a esta graça.
A estrela é a fé iluminando nossas almas e conduzindo-nos a Cristo. No momento em que os Magos foram pedir conselhos aos judeus, eles se haviam privado da verdadeira luz da verdade que é Cristo. Ao encontrá-la de novo brilhando no céu, eles seguem até Belém e ali encontram Maria com o Menino, ao qual prestaram homenagens como Deus, Sacerdote e Salvador.
Se Maria nos trouxe o Divino Pontífice que ofereceu a Deus reparação perfeita, é Ela ainda que nos dá Cristo Jesus para reinar em nossos corações. Não podemos encontrar Jesus sem Maria nem Maria sem Jesus. Seria como um pássaro sem asas que quisesse levantar vôo. Maria, como medianeira de todas as graças, exerce o papel de asas que nos levam a Cristo.

_______________________________________________


Rompendo o silêncio dos indiferentes


                                                                                                     Pe. David Francisquini


Proclama o livro da Sabedoria: Quando um silêncio profundo en­volvia todas as coisas e a noite ia a meio do seu curso, então, a tua palavra onipotente desceu do céu e do trono real e, como um implacável guerreiro, lançou-se para o meio da terra condenada à ruína, trazendo, como espada afiada, o teu irrevogável decreto”.
Há pouco mais de 2.000 anos, um edito de César Augusto convocava um recenseamento de toda a terra. Naquele tempo, os recenseadores não iam, como hoje, de casa em casa interrogando as pessoas. Todos eram obrigados a se dirigir para tal fim à sua cidade de origem. Foi por esta razão que José – por ser da Casa e linhagem de David –, deixando Nazaré, na Galiléia, se dirigiu a Belém, na Judéia, a fim de se recensear com Maria, sua esposa.
O recenseamento concorreu para romper o silêncio e a rotina daquela cidade não muito distante de Jerusalém. Suas ruas, praças e hospedarias se encontravam cheias, num vai-e-vem contínuo de pessoas. Familiares, amigos, e mesmo estranhos se cumprimentavam e falavam dos pequenos acontecimentos de que se compunha a vida miúda daquela gente. Disso resultava um vozerio proporcional ao movimento da multidão, mas o suficiente para turbar os costumes da pequena Belém de Judá.
Foi em meio àquela balbúrdia que chegou São José, puxando um burrico sobre o qual se encontrava sua esposa, que estava grávida. Ninguém percebeu, sequer pôde entrever que o claustro virginal de Maria encerrava o Deus encarnado, “Aquele a quem nem o Céu nem a Terra podia conter”, prestes a vir ao mundo. José procurou por toda cidade um lugar onde pudesse nascer o Redentor: casas de parentes, hospedarias, casas particulares. Todas as portas se fecharam para ele e sua esposa.
Ou seja, o Redentor não encontrou abrigo onde pudesse vir à luz do mundo. São João escreveu que a Vida estava n’Ele, e esta Vida é a luz dos homens. É a luz que brilha nas trevas e as trevas não puderam envolvê-Lo. O verbo era Luz verdadeira que ilumina a todo homem que vem a este mundo. Ele estava no mundo, neste mundo que Deus criou por meio d’Ele, e o mundo não O quis reconhecer. Ele veio habitar entre os seus e os seus não O quiseram receber.
Cenário triste que se repete, ano após ano, nas celebrações do Nascimento do Redentor. Na verdade, tudo deveria parar a fim de ceder lugar, com todo o requinte possível, às celebrações d’Aquele que é a Luz do mundo. Afinal, Ele nos traz as melhores recordações de alegria, de paz, de harmonia e bem-estar. Natal do Menino Jesus em Belém de Judá. Natal em que a Terra inteira cobre de alvura para festejar o Inocente por excelência.
Não tendo São José e Nossa Senhora encontrado lugar no casario de Belém, foram se recolher junto à manjedoura, numa gruta que servia de abrigo aos animais. Foi ali que se deu o Natal do Menino-Deus, anunciado pelas vozes angélicas que ecoaram pelos campos e despertaram os pastores: “Glória a Deus nas Alturas e paz na terra aos homens de boa vontade!”. Nascido num campo como lírio perfumado, o Menino-Deus reuniu em torno de Si todas as classes, de reis a pastores. 
A natureza toda se sente embevecida e elevada porque um Deus que é o criador de todas as coisas e que governa todo o universo tornou-Se criatura sem deixar de ser eterno e imutável.
Quem não se sente comovido contemplando uma criança tão elegante, terna e frágil, que sob o olhar enlevado e compassivo de sua Mãe e de São José, jazia com seus bracinhos estendidos numa manjedoura, assumindo profeticamente a posição que 33 anos depois assumiria ao morrer pregada na Cruz para a salvação da humanidade pecadora?