domingo, 20 de março de 2011

Pertencer à Igreja (II)
                                                                        *Pe. David Francisquini


No artigo “Pertencer à Igreja”, procuramos mostrar o que é a Santa Igreja Católica, Apostólica, Romana, o corpo místico de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ao nos referir à alma da Igreja, apontamos para o que ela tem de mais profundo, ou seja, a Fé, a Esperança e a Caridade, os dons da graça e do Espírito Santo. Todos esses tesouros celestes decorrem dos merecimentos de Cristo Redentor e dos Santos.
Por sua vez, o corpo da Igreja é representado pelo que ela tem de visível e externo, como a associação dos fiéis, o culto, o ministério, o governo e a ordem externa.
Ensina o Papa Pio XII na encíclica “Corpo Místico de Cristo”: “Assim como o Verbo de Deus para remir os homens com suas dores e tormentos quis servir-se de nossa natureza, assim, de modo semelhante, no decurso dos séculos se serve da Igreja para continuar perenemente a obra começada”.
Na sua obra Redentora, Jesus Cristo conquistou os merecimentos para a eterna salvação dos homens, mas não quis aplicar os méritos somente por meio de Si mesmo, mas com a ajuda de colaboradores. Por isso reuniu e formou os Apóstolos que auxiliados pelos sacerdotes governam, ensinam e santificam os fiéis.
“Não vos é segredo (...) que nesses tempos calamitosos foi desencadeada uma guerra cruel e temível contra tudo quanto é católico, por homens (...) imbuídos de doutrina malsã, fechando seus ouvidos à verdade, tem propalado e disseminado (...) doutrinas falsas de toda espécie, provindas do erro e das trevas”, alertou-nos Pio IX.
Pertencer à Igreja é coisa muito alta e muito árdua, já o dissemos. Na defesa da Igreja – de acordo com o aguerrido e virtuoso Pio IX – devemos fazer uso de todos os meios lícitos a nosso alcance, pois horroriza e confrange os corações considerar os monstruosos erros e artifícios inventados para prejudicar a Igreja.
Quer através de insídias e de maquinações, os inimigos da luz estão sempre se esforçando para apagar a piedade, a justiça e a honestidade. Eles lutam dia e noite para depravar os costumes, calcar aos pés os direitos divinos e humanos, perturbar a religião católica e a sociedade civil e até mesmo arrancá-los pela raiz como se lhes fosse possível.
Eles chegam mesmo a uma audácia jamais vista. “Abrindo sua boca e proferindo blasfêmias contra Deus” (Apoc. XIII, 6), eles ensinam pública e desavergonhadamente que os mistérios de nossa santa religião não passam de invenções humanas, que a doutrina da Igreja é contrária ao bem-estar da sociedade, e, se atrevem mesmo a insultar o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo.
Já Leão XIII, na encíclica Divinum Illud, consignou que a Igreja nascera do lado do segundo Adão, adormecido na Cruz. Ela se manifestou à luz do mundo de modo insigne no célebre dia de Pentecostes. E nesse mesmo dia, começou o Espírito Santo a repartir seus benefícios ao Corpo Místico de Cristo.