quinta-feira, 6 de maio de 2021

 

Uma conjuração anticristã


Padre David Francisquini


    


        Ao criar nossos primeiros pais homem e mulher, Deus os abençoou, ordenou-lhes que crescessem e se multiplicassem e enchessem toda a terra, sujeitando-a, como está escrito no livro Gênesis (1, 27-30): “Eis que vos dei todas as ervas, que dão sementes sobre a terra, e todas as árvores que encerram em si mesmas a semente do seu gênero, para que vos sirvam de alimento, e a todos os animais da terra, e  a todas as aves do céu, e a tudo o que se move sobre a terra, em que há alma vivente, para que tenham que comer. E assim se fez".

            Como assim dispôs o Criador, cabe-nos, por nossa natureza e pelas potencialidades e riquezas que nos foram dadas, prover à nossa própria subsistência e trabalhar em função de nosso progresso natural e espiritual, rendendo assim maior glória a Deus. O mesmo Pai não criou seus filhos iguais, antes, os dotou de capacidades diferentes, como se pode depreender da parábola dos talentos.

            Com efeito, nela o servo que soube trabalhar e fazer render os talentos recebidos de seu senhor foi premiado com outros tantos, e o que enterrou o talento foi castigado. Como foi agradável aos olhos de Deus a diligência daquele que se empenhou em fazer progredir suas próprias qualidades, e como foi desagradável a acomodação daquele que se manteve inoperante diante dos benefícios recebidos!

            Todos nós sabemos que a existência do homem é anterior à do Estado, cuja ação deve ser apenas supletiva, ou seja, exercer-se somente quando o corpo social não dispuser de meios para realizar determinada tarefa. O contrário disso a interferência em todos os aspectos da vida dos indivíduos e das sociedades é uma característica do Estado socialista.

            Este último contraria a ordem natural e desafia disposições divinas, com consequências desastrosas para todo o corpo social, pois torna os homens negligentes, sem iniciativas e desinteressados, priva-os de sua liberdade de fazer o bem e os leva à miséria e à desolação, embrutecendo da sociedade e levando ao decrescimento da fé.

            ***

            Recordamos que há mais de 100 anos Nossa Senhora de Fátima alertou a humanidade para os nefastos erros que o comunismo espalharia pelo mundo por meio da
Rússia.
Tendo em vista as comemorações do próximo dia 13 de maio, data de sua primeira aparição aos pastorezinhos, vêm-me ao espírito algumas considerações que desejo compartilhar com os leitores. 

            Por que, apesar de dotado de inteligência e de vontade – portanto um ser livre – tem o homem tão coarctada e perseguida em nossos dias sua liberdade para fazer o bem? Ele vem há séculos perdendo paulatinamente seus direitos fundamentais, como o de praticar a verdadeira fé, constituir e cuidar de sua família, ter a sua propriedade.

            Isso vem ocorrendo à maneira de um bolo colocado sobre uma mesa. Na medida em que as pessoas vão passando, cada qual tira um pequeno pedaço, e em pouco tempo o bolo desaparece... O mesmo se passa com os valores da alma, recebidos dos nossos maiores, que formavam o arcabouço de toda uma civilização fundamentada nos evangelhos.

            Como demonstra Monsenhor Delassus em seu imperdível livro A conjuração anticristã, existe um verdadeiro conluio para negar o pecado e a Redenção de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ele faz com que o homem vá perdendo espaço no panorama da civilização cristã e resvalando para uma vida tribal diametralmente oposta àquela plasmada pelos nossos incansáveis pregadores que evangelizaram o Ocidente.

            A alma brasileira, indelevelmente marcada pelos ensinamentos do Evangelho, vem sendo desconstruída pelos revolucionários de ontem e de hoje nos seus valores cristãos, como o casamento, a criação dos filhos, a ideia de Deus e da religião, a noção do bem e do mal, a perda das noções fundamentais de justiça, a desarmonia institucional, entre outros.

            De onde o constante apelo dos partidos de esquerda e do Judiciário no sentido de implantar ideologias nefastas, como o aborto, o incesto, a identidade de gênero, a poligamia, a adoção de filhos por parceiros homossexuais – como se tratasse de um casal normal –, o direito de herança, a eutanásia, entre outros crimes. Numa palavra, levando os homens para um despenhadeiro rumo ao caos, como já ocorre na Venezuela e na Argentina. 

            Em seu processo de apodrecimento generalizado da sociedade, a Revolução gnóstica e igualitária vem aos poucos eliminando, envenenando e matando, aqui, lá e acolá, com uma força de expansão própria à dos gases, esses valores morais que a civilização cristã recebeu da Igreja e nos transmitiu, tentando eliminar assim a própria ligação do homem com Deus. É a crise religiosa instalada nos quatro cantos da Terra.

            Em decorrência do que se propaga sobre o vírus chinês do Cavid-19, parece que o mundo não voltará mais à normalidade anterior. Se Deus não intervier, será o advento de um estado de coisas em que não haverá mais para os homens liberdade de ir e vir, de gerir seus negócios e sua vida como melhor lhes aprouver, nem de praticar a religião, especialmente a única verdadeira – a católica –, numa satânica tentativa de conduzi-los ao desespero e ao ódio a Deus.

            Aqueles que reagem a esta avalanche são tachados arbitrariamente com epítetos de
negacionistas, antidemocráticos, obscurantistas, contrários à ciência, todas elas palavras-talismãs cuidadosamente estudadas em laboratórios e utilizadas ad nauseam pela grande mídia para causar o maior estrago possível nas hostes conservadoras.

            Em suma, toda esta urdidura visa atacar no homem naquilo que lhe é natural – um ser racional e livre criado à imagem e semelhança de Deus –, para criar um homem novo à imagem e semelhança do demônio. Em seu frenesi desarticulador, tal é o objetivo final da fúria revolucionária.

            O ponto central da mensagem de Fátima trata dos erros da Rússia que se espalhariam pelo mundo para perder as almas. Urge atender aos apelos de Nossa Senhora, rezar e fazer penitência, recitar diariamente o terço, fazer a comunhão reparadora dos cinco primeiros sábados, e, sobretudo, mudar de vida e de comportamento diante dos descalabros das modas imorais.

            Lutemos e procuremos fazer a nossa parte. Deus, por meio de sua Mãe Santíssima, nos dará a vitória!

sexta-feira, 9 de abril de 2021

 

Cristo vence, Cristo reina, Cristo impera!

 

                                                                                                            *Pe. David Francisquini


   Raia o domingo da Ressurreição. Eis que surgem as santas mulheres, em busca do Corpo de Cristo para embalsamá-lo com aromas e perfumes. Em seu afã, talvez elas se voltassem menos para considerações mais altas e sublimes, como a Sua divindade. É o que habitualmente acontece conosco: não costumamos descortinar os grandes horizontes da fé e dos princípios.

            Na verdade, como diz São Paulo, se Cristo não tivesse ressuscitado, a nossa fé seria vã. A Santa Igreja começa a difundir toda a verdade sobre a Ressurreição, escândalo para os judeus e escárnio para os gentios. Jesus Cristo veio para reinar nos corações dos homens através dos frutos de Sua Paixão e Morte, e assim conquistá-los para o seu reino, que não terá fim.

            Contemplando Cristo ressuscitado, vemo-Lo vencedor da morte e do pecado. Ao ressuscitar, Ele eliminou a corruptibilidade de seu corpo e nos concedeu a integridade na fé, para que ressurjamos como Ele no dia da ressurreição final. Como a semente morre para fazer surgir nova vida, assim teremos na ressurreição final uma nova vida.

            As santas mulheres estavam preocupadas com o obstáculo da pedra na porta do sepulcro, não passando por suas mentes Cristo ressuscitado. Com efeito, para quem crê verdadeiramente n’Ele, não há obstáculo intransponível. Cristo ressuscitou com as suas chagas para nos certificar na fé, como afiançou São Tomé, que, ao vê-Lo ressuscitado, as tocou.

            Aquele que morreu pleno de virtudes e com reputação das boas obras já aparecia
bem cedo no primeiro dia da semana, depois do alvorecer, refulgindo o esplendor de sua divindade ante os olhos de todos e os confirmando na fé. A pedra estava posta de lado e o sepulcro aberto, o corpo de Cristo já não estava lá. Para as piedosas mulheres, o corpo d’Ele havia sido roubado.

            Mas Cristo havia ressurgido como um sol, iluminando o mundo inteiro. As trevas tinham ficado para trás, o mundo novo havia nascido com o triunfo de Cristo sobre o demônio, onde passava a brilhar a cruz de Cristo. São Marcos, ao dizer "de manhã cedo", e São Lucas de "muito cedo", mostram que a ida das mulheres ao sepulcro se deu nos albores do domingo.

            Com isso quiseram mostrar a salvação do gênero humano por meio de uma analogia com o sol, pois assim como ele faz surgir a aurora e iluminará toda a Terra, assim também a ação da graça nas almas ilumina os espíritos para que os homens possam não apenas crer, mas professar a sua Fé. É um convite para que todos sigam o exemplo das santas mulheres, e usufruam das alegrias pascais.

            Os homens, reanimados pelo exemplo delas, comemoram a Ressurreição e participam de suas graças, que lhes infundiram uma vida nova sob a luz da fé. Junto da Mãe Dolorosa, a cujo lado os verdadeiros seguidores da Santa Igreja se reagruparão sempre, eles participam das alegrias da Páscoa. Nossa Senhora sempre afastará de nós os obstáculos que nos impedem de estar junto de seu Filho.

 

            O que na maior parte das vezes impede a nossa verdadeira união com Nosso Senhor é o fato de não vislumbramos os inúmeros sinais do que é espiritual. Tendemos a considerar todas as coisas do ponto de vista terreno, uma vez que nossas cogitações não são as cogitações divinas, como afirma a Escritura. O espírito apegado à matéria não se dá conta das coisas mais altas. Cristo ressuscitou.

            Os anjos da venturosa Ressurreição aparecem com roupas resplandecentes, para anunciar júbilo e felicidade. Neles transparecem humildade e doçura que convêm ao reino e à alegria do Senhor. O desenrolar da Ressurreição nos leva a desapegar do espírito carnal para saborearmos as alegrias pascais. Temos de removê-lo como a pedra que fechava o santo sepulcro de Nosso Senhor.

            O tamanho de uma pedra é imagem daquela que bloqueia nossos corações para as graças. Cabe-nos de livre vontade removê-la para atrair as graças suficientes que nos vêm da Ressurreição. Seremos homens novos quando nos despojarmos das vestes velhas do mundo corrompido pelo pecado e das doutrinas geradas por aqueles que sempre procuraram enganar e perder os bons.

            O sol, eclipsado durante a Paixão, indicava a tristeza e a angústia que jaziam nos corações dos homens que haviam crucificado o Filho de Deus. Os anjos, que agora aparecem, anunciam a vida e a ressurreição, convidando-nos ao desapego e à doação, despojando-nos do velho fermento da malícia e da corrupção. Lavado no Sangue do Cordeiro, o novo homem deve amar a Deus e o próximo.          

  Força nenhuma o demoverá dos seus sagrados desejos de santificação e salvação, a despeito de falsos benefícios terrenos, medidas protetivas enganosas, engendradas pelos grandes inimigos: o demônio, o mundo e a carne. Esta tríade perdeu força naqueles que têm fé em Cristo, vencedor da morte. Ele ressuscitou ao terceiro dia, imortal, impassível e triunfante, para nunca mais morrer.

            As santas mulheres, instruídas pelos anjos, anunciaram a boa-nova aos apóstolos. Cristo havia ressuscitado dos mortos e a ressurreição foi celebrada entre os seus discípulos. Sob essa luz misteriosa do entardecer de nossa era e no amanhecer da outra que virá, confiamos que Cristo vencerá de novo pela ação da Santíssima Virgem, cumulando-nos de novas alegrias com a vitória do Imaculado de Maria.

quarta-feira, 31 de março de 2021

Tenho sede!

Pe. David Francisquini

 

Carrasco dando fel e vinagre para Jesus
            Rica em lições e significados, a Semana Santa nos oferece inúmeros
exemplos de vida e resolução que tocam nas nuvens do mistério. Um deles é a narração, pelas páginas dos evangelhos, da sede devoradora que consumia Nosso Senhor Jesus Cristo durante a paixão.  Que lições tal sede nos dá?

            O Divino Mestre de fato sofreu sede física pelos sofrimentos atrozes a que foi submetido, pela quantidade de sangue que derramou, e pela consequente febre que O abrasava. Essa sede simbolizava outra, que superabundava no seu espírito: a sede de redimir os homens. Para saciá-la, em vez de água, seus verdugos Lhe deram vinagre e fel.

            Foi por meio de uma verdadeira guerra que Jesus Cristo conquistou o seu reino, que não era deste mundo, mas que se travou aqui na terra para que fosse completo. Ele se tornou homem, padeceu e morreu na Cruz para nos salvar, além de nos deixar a Igreja, seu Corpo Místico.

            Na pena de Plinio Corrêa de Oliveira, a Igreja “em suas instituições, em sua doutrina, em suas leis, em sua unidade, em sua universalidade, em sua insuperável catolicidade, é um verdadeiro espelho no qual se reflete nosso Divino Salvador. Mais ainda, Ela é o próprio Corpo Místico de Cristo”.

            Enquanto tal, a Igreja forjou e plasmou a civilização cristã, passando a reinar nos corações e na sociedade. Em sua agonia mortal no Horto das Oliveiras, Nosso Senhor anteviu o que se passa hoje com a perda da fé, a descristianização da sociedade, a perfídia dos corações, dentro e fora da Santa Igreja. E sofreu por tudo isso!

            O que nos diria nas atuais circunstâncias? – Quae utilitas in sanguine meo? Qual a utilidade do meu sangue? Ele nos olharia com infinita compaixão, constatando a perda de milhões de almas todos os dias, vendo a impiedade grassar em todos os rincões da terra.

            Veria também a indiferença e a frieza daqueles que poderiam ser

Irreverência na comunhão

chamados de pupila de seus olhos e delícias do seu coração, os preferidos do seu divino amor e predileção. Qual a utilidade do meu sangue se a borrasca e a escuridão continuam a cobrir toda a terra? Não se vê uma nesga de luz.

            Que utilidade é esta de seu sangue? Durante a Crucifixão, até as pedras se fenderam, os sepulcros se abriram como que proclamando que Ele era rei dos vivos e dos mortos. Sua ardente sede de almas, representada pela sede física, simbolizava o zelo divino em purificar a terra.

            Para Santo Agostinho, Aquele que parecia homem sofreu tudo isso, e todos os que estavam escondidos de Deus, sofreram. Assim se cumpriram as Escrituras: “E na minha sede me deram a beber vinagre" (Sl 68, 22). "Tenho sede", como se dissesse: Isso precisa ser feito. Com efeito, os judeus eram o vinagre, resultado da degeneração do vinho dos patriarcas e profetas.

            Antes de expirar, Jesus pôs aos olhos de todos o cumprimento da Lei, o que foi predito, o complemento de toda sua obra salvadora, servindo-se de exemplo para os seus discípulos e seguidores: “Tudo está consumado”, o sacrifício estava completo, a honra de Deus havia sido expiada e as portas do céu abertas.

            Jesus Cristo perseverou até o fim, e sofreu sua Crucifixão, Paixão e Morte vencendo o mundo, o demônio e a carne. A vitória da Cruz luminosa e resplandecente passou a reinar em todas as instituições, sobretudo a familiar, como elemento saudável e vivificador da sociedade cristã.

Nossa Senhora das Dores
            Sua sede incomensurável foi a de sofrer por nós e de conceder novamente aos homens aquilo que os nossos primeiros pais perderam, ou seja, a beleza, a pureza de nossos corações, a graça divina para estarmos constantemente em comunicação com o nosso Criador. E como seus filhos regenerados pelo Deus encarnado, sermos agradáveis a toda Trindade Santíssima.

           
Pelas chagas de Jesus Cristo fomos todos curados. As suas feridas, espinhos e açoites se tornaram fonte inexaurível para nossas reflexões, além de um tesouro também inesgotável para haurirmos forças e zelo para trabalhar pela glória de Deus e a salvação das almas.

            Resta-nos recorrer à Mãe de todas as mães nos momentos de aflição, à Mãe Dolorosa que acompanhou seu divino Filho em todos os passos da Paixão, e pedirmos a Ela a graça de ter sempre diante dos nossos olhos o Redentor sofredor e chagado, como Ela O contemplava na Paixão.

quarta-feira, 10 de março de 2021

 

Ai de vós, hipócritas!

Pe. David Francisquini

           

Manifestação dos caminhoneiros contra o lokdown
            Tantas – e não menos contraditórias – são as afirmações veiculadas pela grande

mídia, assim como as medidas levadas a efeito por muitas autoridades públicas, que parecem esconder algo do grande público que, já  quase exausto, não vem suportando mais o confinamento a que foi submetido, em razão das próprias divergências sobre a sua eficácia ou não.

            Diante do alarmismo em torno do vírus chinês e da multiplicação de lokdowns, constata-se que os números relativos à pobreza têm aumentado de maneira acentuada, dada a desestabilização na economia das nações. Abyssus abyssum invocat, isto é, um abismo atrai outro abismo, proclama um Salmo. Não se pode fazer o mal para que dele provenha um bem.

            No caso dos confinamentos não há nada de mensurável e de científico sobre a sua eficácia. O mesmo não se pode afirmar sobre a evidência de a pessoa não ter o que comer, pois o levará à ruína e à morte por inanição, a menos que haja um projeto, um propósito de fazer o mundo atual se resvalar para o abismo com a desgraça alheia.

            Há pior, sobretudo para os responsáveis do rebanho do Senhor, como um sacerdote. Além de fechar  as igrejas, de os fiéis não poderem assistir missas e frequentar os sacramentos, pois os defensores do confinamento afirmam que o papel da Igreja em sua missão salvífica não é essencial. O que se depreende que Deus fica em plano inferior nos aspectos humanos.

            Até mesmo o impedimento do sacerdote de assistir aos enfermos nos hospitais… A isto podem ser aplicadas as sábias palavras do Divino Mestre que ensinou: "Eu digo a vós, meus amigos: Não tenhais medo dos que matam o corpo e depois nada mais podem fazer. Mas eu mostrarei a quem vós deveis temer: temam Àquele que, depois de matar o corpo, tem poder para lançar no inferno. (Luc. 12 1-8)

           
Quanto à assistência religiosa, a saúde do corpo depende, muitas vezes, da saúde da alma, da administração dos sacramentos, da oração, das boas obras que ajudarão o bem do corpo. Separar a saúde do corpo da alma se transforma numa questão gravíssima que terá consequências desastrosas na vida civil. Santo Antônio de Lisboa em seus sermões sobre doenças e epidemias afirma terem elas sua origem no pecado e nas desordens morais. 

Manifestação contra o lokdown

            Medidas drásticas nas atuais circunstâncias se justificariam apenas no caso de lançar mão de medidas estratégicas para enfrentar calamidades extremas como, por exemplo, da necessidade de descanso dos funcionários da saúde, a fim de se reorganizarem e recobrarem forças para mais bem  continuar o trabalho. Mesmo isto seria temerário e exige muita cautela.

            A imposição de confinamento às pessoas sem previsão do fim da pandemia,
privando-as de ganharem o pão de cada dia, criará uma situação de pobreza tal que afetará até mesmo a vida religiosa em níveis surpreendentes, catastróficos até, sem encontrar o perseguido benefício de algum dado comprobatório de vidas salvas, de crescimento na fé, da moralização nos costumes em razão de tais decisões.

            Referi acima a um projeto de fazer o mundo se resvalar para o abismo. Com efeito, diante das medidas tomadas aqui, lá e acolá a propósito do epidemia só podemos concluir, com certeza, no aumento do desemprego, da pobreza e da fome ante a visão do desmantelamento das economias, trazendo o espectro de uma catástrofe global sem precedentes na história, um miserabilismo orquestrado.

            No cenário brasileiro, temos já uma situação bastante preocupante. Recentemente, um decreto em vigor no município de Araraquara gerou resultados que nos dão ideia do tipo de calamidade que nos aguarda. Enquanto isto, noticiam-se as intenções de vários governadores, nomeadamente dos Estados da Bahia, Santa Catarina e Paraná, a exemplo do governo de Brasília, que avançam com firme propósito de decretar o confinamento.

           
Enquanto isso, torna-se público que bilhões em verbas da União foram transferidos aos governos estaduais para tratar as vítimas do coronavírus, mas foram desviados para outras finalidades. A despeito disto, esses governantes reclamam por mais recursos do governo central, além de acusar politicamente o Presidente pela omissão e por todas as coisas ruins que têm sucedido no País.

            Afinal, uma  população inteira – emocionalmente descontrolada – apavorada mesmo diante da peste chinesa, ademais faminta, em consequência do “estratégico” confinamento, não terá a faculdade de refletir, e estará pronta a acolher a sugestão para acusar qualquer pessoa, a respeito do que quer que seja, e estará disposta a se submeter a qualquer coisa, por um pedaço de pão, ainda que bolorento.

            Para fazer o mal, nunca faltam os oportunistas de plantão que não hesitam em jogar o Brasil na mais profunda miséria, no rastro da Venezuela e, mais recentemente, da Argentina, e sobre a desgraça imposta à população colher algum ramo de louro para se autoproclamarem salvadores da pátria... A História está recheada de personagens deste
naipe. Este parece ser o jogo sórdido daqueles que apostam no ‘quanto maior a tragédia, melhor para nós’.

            Mas eles, por sua índole revolucionária, tropeçarão em seus próprios calcanhares em decorrência de seu orgulho, ensimesmados no desafio a  Deus, edificando para eles um mundo vergonhoso, sobre o qual sonham em estabelecer um paraíso às avessas, como um desesperado grito de revolta de non serviam (não servirei).

            Triste conduta daqueles que buscam celebridade em prejuízo de seus semelhantes! Isso se chama hipocrisia. Estejamos certos, o Senhor virá conhecer a obra dos filhos dos homens e seus empedernidos propósitos. Que Nossa Senhora Aparecida, Mãe, Advogada, Rainha, Imaculada e Auxiliadora dos cristãos, salve o Brasil dessas iniquidades!

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

O despertar de uma reação sadia

 

Pe. David Francisquini


O demônio nunca dá o que promete. Como ele é o pai da mentira, este dito popular antigo será sempre atual, pelo menos enquanto o diabo for diabo, ou seja, para sempre. Como sacerdote, tenho testemunhado ao longo dos anos quão árduo tem sido o apostolado, sobretudo nos últimos tempos, pois são tantas lantejoulas a brilhar e tantos pratos de lentilhas a comer!

Em seu livro Revolução e Contra-Revolução, Plinio Corrêa de Oliveira trata do homem revolucionário, aquele moldado pela Revolução várias vezes secular, que se julga autossuficiente e agnóstico, mas idolatra a ciência e a técnica. Nelas ele espera e crê poder resolver todos os seus problemas, eliminar a dor, a pobreza, a ignorância, a insegurança, enfim tudo aquilo a que chamamos efeito do pecado original.

Não podendo se autoproclamar Deus, o revolucionário afirma que Ele não existe. Nega a redenção de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas vai procurá-la na ciência e na técnica à espera de tempos cada vez melhores, e, quiçá, um dia poder vencer a morte. Com essa vã expectativa ele quer trabalhar cada vez menos e se divertir desbragadamente tanto quanto lhe for possível.

Resistência contra os holandeses

Então, ele faz uma espécie de bloqueio mental para qualquer cogitação sobre a vida sobrenatural, sobre um pensamento no Sagrado Coração de Jesus, fonte de vida e santidade; sobre o Imaculado Coração de Maria, por meio do qual obtemos as graças suficientes e necessárias para nos manter nas vias traçadas por Deus, ou nos reconduzir à verdadeira paz e à reconciliação com Ele por meio da Confissão.

Por outro lado, constato também algo de muito novo, ou seja, um estado de espírito, um sentimento de reação à Revolução igualitária que amadurece e se transforma em ideias, que por sua vez desemboca em ação contra a degringolada moral da sociedade. É de causar regozijo a um espírito reto, e amargura àqueles que não temem a Deus, ver o lado polêmico e ideológico desta reação.

Esta reação profunda na opinião pública, que não se cinge apenas ao Brasil, vem sendo ostentada com galhardia no mais das vezes por pessoas jovens, demonstrando que Deus em sua infinita misericórdia vem em socorro dos homens. Pelas atitudes dos revolucionários diante desta sadia reação, vê-se que ela não é vã, pois se fundamentada em princípios da lei natural e da religião.


Uma coisa é considerar as ideias em tese, outra é avaliá-las de perto, num indivíduo ou num grupo de pessoas, analisar as suas metas, métodos, modos e procedimentos. Costuma-se dizer que o ‘discurso’ da esquerda — religiosa ou não — é bonito, mas não passa de uma utopia. Basta ver o resultado da aplicação dessas ideias esquerdistas e socialistas nos países onde elas foram ou são aplicadas. Só produzem miséria e desolação.

O que foi e vem sendo feito no Brasil tanto nos meios religiosos quanto públicos — no executivo, legislativo e judiciário — não foi pouco. De mãos dadas esses poderes, somados à grande mídia e aos adeptos da teologia da libertação, já pintaram e bordaram a fim de implantar aqui os seus propósitos despóticos, prepotentes e ditatoriais, dilapidatários, subvertendo toda ordem. Infelizmente, não cessaram…

Por que desejam eles, por exemplo, a legalização do aborto, do incesto, da libertinagem, da poligamia, do divórcio, da eutanásia e das piores sem-vergonhices? Por que no campo social e econômico visam sempre a abolição da propriedade privada com a velha política da Reforma Agrária, acrescida de outros ardis recentes como a questão indígena, quilombola e trabalho escravo? 

Na verdade, eles não visam o bem comum, mas o caos e a instabilidade em todos os campos da vida social. Com essas iniciativas antinaturais, pretendem regular uma modalidade temperamental difusa, a fim de discriminar os que defendem a família monogâmica e natural estabelecida pelo Criador e assim implantar a libertinagem que acabará o que ainda resta de civilização cristã. Eis a agenda da esquerda.

Contrariando a lei natural, os fautores revolucionários parecem não ter calculado bem os seus passos, e

Estácio de Sá contra os franceses

em sua ânsia de destruir a estrutura social vigente avançaram muito depressa, o que causou nas forças vivas do País uma reação ordeira, saudável e eficaz em sentido contrário, provocando como consequência, uma polarização ideológica na opinião pública, por eles tão temida.


Em minha opinião, esta luta se estabeleceu como um bem para a causa católica, pois deixa
manifesta a esperança em um futuro melhor para as almas e para o País. Este fenômeno de opinião pública não ocorreu sem a graça divina, que ajudou as almas a conhecer o mal enquanto tal, refletido na falta de piedade e na compreensão da caridade cristã, ou seja da bondade que norteia a vida em sociedade.

Alguém poderia perguntar se eles realmente amam os pobres, que eles propalam defender e dar suas vidas. Acontece que as Escrituras afirmam o contrário, ou seja, os ímpios são impiedosos em relação aos pobres, eles fazem perecer os indigentes da terra, roubam deles, e se servem deles apenas para se enriquecer e tirar vantagens. Portanto, não nos iludamos.



terça-feira, 5 de janeiro de 2021

 

Quem como a Virgem Maria?    

Pe. David Francisquini


  
O ano de 2021 se inicia sombrio e imprevisível, deixando as pessoas cheias de perplexidade. O que esperar dos dias vindouros? Se o passado recente não é penhor para o presente e o futuro próximo, como nos guiar e ajudar o próximo durante a confusão e as trevas? Que luz poderá ser orientadora para nos fazer chegar a um porto seguro?

            A única luz verdadeira brilhou num presépio em Belém para dar certezas e convicções profundas neste desterro e num vale de lágrimas. Essa luz se consubstanciou na Santa Igreja Católica Apostólica Romana, contra a qual Deus prometeu que as portas do inferno não prevaleceriam. Como instituição divina, ela é a nossa bússola a apontar sempre o Norte, ainda que em meio à escuridão não possamos ver nada ao nosso redor.

            O mundo pagão se contorcia numa agonia sem precedentes quando a luz de Belém surgiu num cenário único e dividiu a História em antes e depois de Cristo. As trevas foram então pouco a pouco se dissipando para dar lugar à Cristandade, na qual reinava o Rei de Judá, o Rei Imortal, sempre a guiar os homens proporcionando-lhes todos os meios possíveis para alcançar o porto seguro.

            Contudo, o “não servirei” de Lúcifer repetiu-se na Terra para impedir os homens de seguirem o caminho da verdade e terem a verdadeira vida, fazendo desta terra de exílio uma antecâmara do céu. E à semelhança da revolta celeste, grande parte dos homens virou as costas para Jesus Cristo e a Igreja, seu corpo místico, para cavar a própria tumba.


            Como maus mercadores, os homens caminham hoje perdidos e desamparados nas trevas cada vez mais densas,  entregues à sua própria sorte. E Deus se ri deles. Vejamos. Acabamos de assistir estarrecidos à aprovação do aborto na vizinha e católica Argentina. Mais ao longe, no Extremo Oriente, a Coreia do Sul repetiu a medida, enquanto as autoridades mundiais fingem querer salvar vidas durante a pandemia que grassa. 

            Parece que a História se repete, pois enquanto reis iam adorar o Menino Jesus em Belém, o sanguinário Herodes procurava um meio de matá-Lo, e para tal promoveu a matança dos inocentes. Aqui e agora, o estado laico introduz o assassinato de crianças no ventre materno. Será que o justo Deus, Senhor dos Exércitos, assistirá a tudo isso sem fazer justiça? Oportunamente tratarei deste particular.

            Acalentados pelas promessas de Nosso Senhor, sobretudo assistidos por graças muito particulares, fiéis do mundo inteiro que seguem os ditames perenes da única e verdadeira Igreja de Deus vêm manifestando uma fé cheia de esperança quanto ao futuro da Santa Igreja.

            Ademais, iluminados pela luz do Espírito Santo, conseguem discernir bem o joio do trigo, o que lhes permite fazer apostolado em âmbito mundial por meio da comunhão dos santos, e também pela facilidade e rapidez das comunicações em nossos dias. As mensagens de Nossa Senhora crescem aos nossos olhos. Em Fátima, por exemplo, nos foi assegurado o triunfo do Imaculado Coração de Maria.

            Num ímpeto de entusiasmo, São Luís Maria Grignion de Montfort perpassa o tempo e o espaço quando prevê os acontecimentos em nossos dias:

            “Vossa divina fé é transgredida; vosso evangelho é desprezado; abandonada vossa religião; torrente de iniquidade inunda toda a terra, e arrasta até os vossos servos; a terra toda está desolada. A desolação das desolações cobriu a terra inteira; a impiedade está sobre um trono; vosso santuário é profanado e a abominação entrou no lugar santo.”

    E prossegue: “Tornar-se-á tudo, afinal, como Sodoma e Gomorra? Calar-vos-eis sempre? E nós, grande Deus! Embora haja tanta glória e tanto lucro, tanta doçura e tanta vantagem em Vos servir, quem tomará vosso partido? Quase nenhum soldado se alistará em vossas fileiras? Quase nenhum São Miguel clamará, no meio de seus irmãos, cheio de zelo pela vossa glória: Quis ut Deus?”

            Sejamos ardorosos em lutar pela glória de Deus, elevando os nossos corações e os nossos olhos a Nossa Senhora, Mãe de Deus e nossa, e roguemos a Ela, que é plena de prerrogativas, uma das quais é a onipotência suplicante, ou seja, tudo o que Ela pede a Deus é obtido, que nos conceda a graça de sermos guardiões zelosos da Santa Igreja de Deus e de sua santa doutrina, hoje tão conspurcadas.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

 

Jesus Cristo no Presépio e  no Sacrário

 

*Padre David Francisquini

 

            Cristo foi envolto em panos e reclinado numa manjedoura forrada com palhas, que se
tornaram ornamentos do desejado das nações, do Menino-Rei cheio de aromas e de encanto que acaba de nascer numa gruta em Belém.

            Um anjo do Céu anunciou a grande notícia para alegria dos pastores e regozijo de toda a corte celeste. Seu anúncio ecoou em todos os lares de aldeias, cidades e campinas, até no mais humilde casebre, pois Cristo nasceu como Salvador e Rei de todos os povos.

            O júbilo impera nos corações com as palavras proclamadas pelo Anjo: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade. A gruta nos faz lembrar o sacrário, pois como nela se encontrava o Deus vivo e verdadeiro, assim Ele quis ficar nos sacrários de todas as igrejas sob a forma da Hóstia consagrada.

            Jesus quis nascer numa manjedoura onde comiam os animais para compreendermos que Ele não nascera apenas como Salvador, mas também como nosso alimento. A representação de Jesus Cristo na História está posta diante de nossos olhos no Santo Presépio de Belém, enquanto no sacrário está representada como objeto de nossa fé, pois Ele vive conosco, pronto para nos receber e alimentar.

            Ao ser consagrado no altar durante a Santa Missa, o pão se transforma em corpo, sangue, alma e divindade do próprio Cristo que nos é dado como alimento, permanecendo conosco nesse peregrinar pela terra. O altar é o presépio em que Cristo está de braços abertos para nos saciar com sua carne divina e seu sangue precioso, pois Ele é o nosso celeste pelicano.

          
 
Como Pai, pensa nos filhos mais que em Si, não mede sacrifício algum que possa beneficiar os filhos, pois lhes quer todo o bem. No altar do Sacrifício é o próprio Jesus Cristo que se imola dia e noite de braços abertos para não nos deixar desamparados nessa peregrinação. A fé nos ensina que o Divino Redentor que nasceu Menino está vivo no sacrário.

            A pequenez das crianças constitui grande atrativo para os nossos corações. Imaginemos Aquele mesmo a Quem os céus não puderam conter, exatamente por ser imenso e infinito, apresentar-se a nós como uma criança pequenina e frágil, para ter certa proporcionalidade conosco e assim Se fazer mais próximo de nós.

            Guiados por essa mesma Fé, o gemido de Jesus Cristo no desconforto físico daquela noite fria e das asperezas das palhas da manjedoura de Belém nos conduz a pensar no mais alto dos panoramas, ou seja, a contemplá-Lo e adorá-Lo. Da mesma forma deveremos fazê-lo sob as espécies eucarísticas.

            Essa criança plena de inocência e pureza, por ser Filho do Padre Eterno e de Maria Santíssima, bendita entre todas as mulheres, quis Se tornar homem e Deus para resgatar a humanidade do pecado de nossos primeiros pais por sua vida, paixão e morte. Ele mesmo quis ficar envolto nos véus eucarísticos, ao alcance de todos nós.

            O Infante Jesus, segunda Pessoa da Santíssima Trindade, encarnou-se no seio puríssimo de Maria para nos salvar com sua morte no madeiro da Cruz. Daí a nossa confiança n’Ele, pois veio para reinar nos corações, concedendo-nos graças nas trilhas do heroísmo e da luta. A fé nos guia na trajetória da vida presente para a futura. O Natal é o marco da História, cheio de esperança e certeza.

            O mundo pagão se desfez com o nascimento de Cristo para dar lugar a uma era cheia de luz que iluminou o mundo, a civilização e a cultura cristãs. Hoje, com o novo paganismo, vivemos o mesmo pesadelo de outrora, se não pior, quando o mundo se debatia e se contorcia sem esperança.

            Nos estertores dessa civilização agonizante, com todos os problemas que a afligem, é o mesmo Jesus Cristo e sua Mãe Santíssima que batem nas portas de nossos corações. Por que Maria, a Mãe admirável de Deus Filho? Porque tendo sido Ela quem nos trouxe Jesus, também será Ela quem O fará reinar sobre toda a Terra.

           Aquela mesma que ofereceu a Jesus o seu sangue virginal pelo seu coração materno, tornando-se o sacrário da divindade, a arca da aliança, será Ela quem fará Jesus reinar sobre as nações e os povos. Não podemos encontrar Jesus sem Maria e nem Maria sem Jesus.

            Se o laço que une um ao outro é tão íntimo, a história da salvação não está desligada deles. As virtudes trazidas por Jesus na gruta de Belém serão disseminadas por todos os cantos do orbe por Maria, quando Ela passar a reinar nos corações.

            Sendo Ela o elo entre Deus e os homens, será Ela quem ligará a Terra a Deus. Que neste Natal envolto em borrascas que nos enche de apreensões, ilumine-se em nós uma lâmpada inextinguível, uma confiança plena de que Cristo reinará no mundo por meio de Maria.

sábado, 24 de outubro de 2020

 

O mal não prevalecerá

*Pe. David Francisquini


Enquanto o STF revoga a prisão de uma enfermeira acusada de realizar centenas de abortos clandestinos, condena o Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz que impediu, via judicial, um só aborto.

A enfermeira encontra-se livre por força de liminar concedida pelo relator do caso no STF, Marco Aurélio Melo, por ter um filho portador de transtorno de espectro autista, dependente de seus cuidados. Para o ministro, a prisão que já durava nove meses excedeu o prazo razoável, pois foi presa em flagrante no ano passado, num hotel, em Belo Horizonte, quando se preparava para praticar ali mais um aborto clandestino. 

Em sua sentença, o ministro Barroso afirmou que a criminalização do aborto viola os direitos fundamentais das mulheres pobres, já que elas não podem ter acesso às clínicas de luxo... Por sua vez, Rosa Weber alegou que sendo a sociedade machista, não valoriza e nem reconhece os direitos reprodutivos da mulher... Alexandre de Moraes sentenciou que a soltura da enfermeira para cuidar de um filho menor ressalta que o distanciamento dos fatos a impedirá de atitudes criminosas. (Jornal online: Conexão política, Publicado por Marcos Rocha. Acesso em 17/10/2020).

Já o caso do referido sacerdote, por ter impedido a realização de um aborto, foi condenado a pagar uma indenização de quase R$ 400 mil por ‘danos morais’ causados aos pais que queriam abortar o filho. Antes, no STJ, a ministra Nancy Andrighi, que se declara católica, na sua sentença afirma que o sacerdote teria abusado de seus direitos ao pedir liminar para que a realização do aborto não fosse levada a cabo.

 Enquanto nos é negada a liberdade de ir e vir a propósito da epidemia, de trabalhar, de frequentar a igreja, de impedir que cada qual procure resolver o seu problema de saúde, a magistrada -- para condenar o padre – discorre sobre a liberdade que a pessoa tem para proceder um aborto a fim de evitar traumas.

Tal liberdade, aliás muito particular de se fazer aborto, vem sendo imposta pela agenda esquerdista de todos os naipes ao fornecer os instrumentos legais para o judiciário, sob pretextos diversos, como no caso em pauta, de evitar traumas para a mãe. Contudo, um ponto importante é omitido nessa trama, pois o aborto pode ocasionar traumas ainda maiores como desequilíbrios psíquicos, loucuras, depressões, podendo chegar até mesmo ao suicídio pelo problema de consciência causado, pois está inscrito no coração da mãe a proibição de matar o próprio filho. 

O carinho e o afeto maternos são proibidos de ter a sua livre expansão no coração de uma jovem mãe que pede proteção, evitando usar de crueldade. Abusar dessa liberdade é um ato cruel. A Ministra sentenciou que o padre "buscou ao menos por via estatal a imposição de seus conceitos e valores a terceiros, retirando deles a mesma liberdade de ação que vigorosamente defende para si”.

Afirmou ainda que o sacerdote violou a liberdade do casal para fazer prevalecer a sua "posição particular", tendo pois agredido a honra da família ao denominar a atitude tomada por eles de "assassinato", além de ter agido de forma temerária ao impor a eles "sentimento inócuo". A criança a ser abortada, segundo os médicos, não teria condições de sobreviver após o nascimento. O que de fato sucedeu.

Salta aos olhos que a nossa legislação não está sendo feita para favorecer a vida, mas para implantar a cultura da morte. A propósito, levanto algumas questões. Qual a relação entre a interrupção do curso normal de uma criança que virá à luz do mundo com o poder das trevas e o obscurantismo? Já estaríamos na época das trevas? Haveria ainda uma relação entre aborto e drogas, homicídios, amor livre, libertinagem, eutanásia, liberdade dos traficantes?

            Esta sentença que caiu sobre o Padre Luiz Lodi é um fato inédito no Brasil, por isso não deixa de ser para os defensores do aborto uma ocasião a ser comemorada. Do ponto de vista judicial, tal medida tem um papel preponderante de inibir a voz da Igreja em questões morais e religiosas, pois ninguém se atreverá a impedir o avanço da agenda pró-aborto, mesmo via judicial, como fez esse zeloso sacerdote.

Pelo que eu saiba, nunca ocorrera na América Latina repercussão tão grave no edifício multissecular do Mandamento da Lei de Deus, ancorado na lei natural, que proíbe matar, principalmente em se tratando de um inocente e indefeso no ventre materno.

Talvez nem todo leitor saiba da existência de entidades que ajudam mulheres entrarem na justiça para receber danos morais reais ou pretensos. Uma delas é o "Fundo Vivas", que presta auxílio financeiro, por meio de doações a essas mulheres e que tem também como objetivo arrecadar dinheiro para auxiliá-las em situações similares.

Seus dirigentes partem do princípio de que não se pode defender o nascituro, mas sim os que livremente procederam a geração de uma criança, isso acima de qualquer princípio moral e ético. Os responsáveis pelo filho em gestação têm o direito de matá-lo, pois um nascimento indesejado iria atrapalhar suas vidas despreocupadas e indiferentes a Deus. Imaginam eles que a liberdade consiste apenas em gozar a vida e ser feliz.

Para eles, o papel do Estado moderno é fazer leis pelas quais cada indivíduo possa afirmar que ‘na minha vida quem manda sou eu’, e ai de quem discordar, poderá de ser punido! A isso eu dou o nome de ditadura do hedonismo, pois a liberdade é para se fazer o bem, e não o que cada um quiser. Há advogados que afirmam que a interrupção da gravidez é um direito da gestante e opção do casal, do qual se pode fazer uso, sem persecução penal posterior e até mesmo sem a interferência de terceiros.

            Fatos como esse, poderão abrir precedentes para qualquer pessoa que queira se utilizar de meios legais para o planejamento e a execução do crime de assassinato da vida intrauterina, pois terão a garantia da impunidade. Isso representa de fato um enorme rompimento na história do cumprimento às Leis de Deus, pois é o homem querendo se sobrepor a Deus!


Com certeza atrairá sobre si e sobre nossa nação terríveis castigos. Vozes como a do Padre Luiz Lodi precisam ser ouvidas e apoiadas. Não é permitido que o mal e o erro triunfem sobre a verdade e a virtude! Aqui poderemos parafrasear David dizendo a Saul que não quis estender a sua mão contra ele, pois queria conservar a sua mão sem mancha, sem nenhuma iniquidade, para não pecar contra o ungido do Senhor, mesmo quando Saul o procurava para matar.

Os abortistas não sossegam, não dão tréguas contra a vida do inocente: dos ímpios sairá a impiedade; as mãos dos abortistas estão carregadas de sangue contra as crianças inocentes, clamando a Deus por vingança. Que sangue delas caia sobre eles e suas gerações, e não sossegue um instante a consciência e lembrança de tão hediondo e pecaminoso ato.

terça-feira, 15 de setembro de 2020


“Quem vos ouve, a mim me ouve”

Padre David Francisquini*


Um estupro seguido de aborto provocado em uma criança de 10 anos vem pronto e emoldurado para chocar a opinião pública. Se por um lado o fato é chocante e odioso, de outro foi entregue na bandeja aos despiedados abortistas para que façam avançar a sua agenda sanguinária.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, classifica de “ilegal” e “absurda” a Portaria do Ministério da Saúde, editada recentemente, segundo a qual alterar as normas da realização do ‘aborto legal’ nos casos de estupro é incompreensível.
O referido dispositivo governamental do dia 28 de agosto último determina que a equipe médica seja obrigada a notificar à polícia os casos de acolhimentos com indícios ou confirmação do crime de estupro e que seja oferecida à vítima visualização do feto por meio de ultrassonografia [foto acima].
Maia afirma que tal medida interfere na legislação sobre o aborto por estupro ou por anencefalia. Mais. A legislação brasileira permite o aborto além desses casos, ainda quando a mãe corre risco de morte. Ele exige que o governo revogue a Portaria, pois, caso contrário, diz ter votos suficientes contra a medida, ou ainda, recorrerá ao STF.
A decisão do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi tomada em meio à repercussão do caso da menina que se engravidou de um tio monstruoso. Sobre a questão, cingiremos ao que recomenda os livros inspirados, aos quais devemos obedecer. Declarações como a de Maia não passam de uma perversidade. Como matar uma criança inocente e indefesa no ventre materno?
O Senhor dá o castigo a quem faz o mal segundo a sua malícia. O sangue do inocente cai sobre sua cabeça e sobre essa casa e sobre a sua descendência por semelhante ato. O Rei Davi diz a Joab, após este matar traiçoeiramente Abner, que não falte na casa dele quem padeça de blenorragia, quem seja leproso, quem pegue no bordão, quem seja morto a espada e quem esteja privado de pão.
Forte? Quem pratica ato tão ignominioso atrai sobre si e sobre os seus os castigos de Deus, pois se trata de um pecado que brada a Deus por vingança. Ele, por ser autor da Lei Maior, é infinitamente mais rigoroso em relação aos infratores dela — como os que atentam contra um inocente no ventre materno, santuário tão violado hoje por quem deveria defendê-lo.
Como um assassino desses poderá ter paz de consciência? A Escritura Sagrada traz preciosas e indispensáveis lições para a vida. Diante da desobediência de Saul às ordens de Deus, Samuel afirmou que vale muito mais a obediência às ordens divinas do que oferecer vítimas e sacrifícios. A desobediência é como o pecado de magia, não se submeter à Lei de Deus é como o crime de idolatria.
Não existem leis humanas capazes de revogar as leis divinas. Se Deus determinou que não é lícito derramar o sangue inocente, por constituir um grave pecado, não há autoridade na Terra que possa obrigar alguém a fazer o mal, pois vale mais obedecer a Deus do que aos homens.
Samuel foi firme diante de um rei que não teve escrúpulo em transgredir a ordem do Senhor e as suas palavras. Ele não aceitou justificativas nem explicações, pois a palavra do Senhor é sagrada. Honra o Senhor e O adora por meio da obediência às suas determinações e às suas leis.
Qual o crime que uma criança inocente poderia ter cometido no ventre materno para ser ali trucidada? Como a iniquidade de um ato jamais se expia com vítimas nem oferendas, a mão do Senhor descarrega pesadamente sobre quem a praticou e pratica.
“Raças de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que vos ameaça? Fazei, portanto, os frutos dignos de penitência, e não comeceis a dizer: ‘Temos Abraão por pai’, porque eu vos digo que Deus é poderoso para suscitar dessas pedras filhos de Abraão.
“O machado já está posto à raiz das árvores. E toda árvore que não der fruto bom será cortada e lançada ao fogo”. (Lc 3, 9) Não façais violência a ninguém, nem denuncieis falsamente e contenteis com os vossos soldos. Lc 3, 7-14) “Digo-vos: naqueles dias haverá um tratamento menos rigoroso para Sodoma. Ai de ti, Corozaim! Ai de ti, Betsaida!
“Porque, se em Tiro e Sidônia tivessem sido feitos os prodígios que foram realizados em vosso meio, há muito tempo teriam feito penitência, cobrindo-se de saco e cinza. Por isso, haverá no dia do juízo menos rigor para Tiro e Sidônia do que para vós.
“E tu, Cafarnaum, que te elevas até o céu, serás precipitada até aos infernos. Quem vos ouve a mim ouve; e quem vos rejeita a mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou” (Lc 10, 12-16).

* Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira (RJ).