sábado, 18 de outubro de 2014

Nossa Senhora Aparecida, salvai o Brasil dos maus políticos!



Como as reformas culturais, sociopolíticas e econômicas  de um país envolvem questões morais e, portanto, a religião e a salvação das almas, fazendo com que se boas forem as reformas um número maior de almas se salva, e se más maior número se condena, não posso deixar de manifestar-me alarmado com a atual condução dos destinos do Brasil.
Assistimos ao espezinhamento sistemático dos princípios morais e da família através de uma Revolução Cultural que está não apenas destruindo o tecido social e as instituições do País, mas deformando as mentes de nossas crianças e de nossos jovens pelo ensino sistemático de uma realidade diametralmente oposta à verdade.
Nesse ensino, os defensores da Pátria, da moralidade e do bem são apresentados como malfeitores, e os apátridas, os promotores da imoralidade e do mal são tidos como benfeitores. Se isso não for impedido, no final do caminho as crianças estarão colocando Deus entre os primeiros e Satanás entre os segundos, e passarão a preferir o Inferno ao Céu.
Assim sendo, e à vista dos poucos dias que nos separam da decisão final sobre quem será o nosso próximo Presidente, não posso em consciência deixar de me pronunciar.
Invoco para isso a proteção de Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, cuja festa celebramos no dia 12 do corrente, pedindo-lhe que me inspire palavras justas que reflitam os ensinamentos de seu Divino Filho, que não precisam de licença para penetrar na sociedade temporal, pois tanto esta quanto a sociedade espiritual são suas filhas.
Se a fé, a esperança e a caridade devem mover um católico a promover o bem das almas e a boa ordem social, e também de lutar contra o descalabro moral que carcome a instituição da família, o que dirá de um sacerdote que por vocação foi chamado a guiar pela palavra e pelo exemplo o rebanho de Cristo?

Movido pelo intuito de instruir o público fiel, escrevi os livros “Catecismo contra o aborto” e “Homem e Mulher, Deus os criou”, que vêm alcançando larga difusão. Nosso objetivo nessas obras foi de salvar o Brasil do crime nefasto da matança dos inocentes, configurado pelo crime do aborto, e do dito “casamento” homossexual, por constituírem “pecados que bradam aos céus e pedem a Deus vingança”.
Com efeito, uma nação peca quando suas leis, seus costumes e sua cultura se contrapõem aos ensinamentos divinos e induzem os seus habitantes a pecar. E o que é o aborto senão uma matança covarde de inocentes indefesos no ventre materno? E o que é o casamento homossexual senão um pecado contra a natureza criada e querida por Deus para o bem de seus filhos?
O grande Santo Agostinho afirma que o pecado de uma nação deve ser punido aqui na Terra, pois ela não possui uma alma imortal para ser punida depois da morte. Este foi o caso, por exemplo, de Sodoma e Gomorra, cuja ignomínia está reproduzida nas Sagradas Escrituras.
            Como o amor de Deus se estende às nações e os seus pecados acarretam grandes males para os seus habitantes, devemos zelar neste momento pelo Brasil, no momento em que estamos por decidir se devemos manter este governo – que já deu provas cabais de seu desrespeito à família e às Leis de Deus não apenas quanto às matérias acima, mas em muitas outras –, ou se devemos tentar outro, menos comprometido com tais causas.
O aborto e a oficialização da sodomia visam à destruição da família em terras brasileiras, e a candidata do PT tem em sua plataforma política este programa intrinsecamente perverso, pois contrário a Lei de Deus e da Igreja, além de configurar pecados que clamam a Deus por vingança, como aconteceu, relembro, em Sodoma e Gomorra.
Na vida pública como na dos indivíduos, terríveis germes de deterioração se fazem notar por todos os lados.  Eles colocam em sobressalto os espíritos lúcidos e vigilantes que querem um Brasil autêntico e íntegro, sem corrupção, seguindo a lei moral consignada nos mandamentos da Lei de Deus e da Igreja, respeitadora da lei natural.

Que Nossa Senhora Aparecida salve o Brasil dos maus políticos!