domingo, 14 de março de 2010

Tradição, família e religião (I)




O rol de minhas apreensões em relação ao mundo dito ‘moderno’ vem aumentando dia após dia. Talvez, a principal delas seja a ausência da formação do caráter de nossa juventude, fator que considero de transcendental importância para o ser humano.
Com efeito, tal formação recai de modo natural sobre os pais, aos quais incumbe, pelo bom exemplo, a exímia conduta e os bons princípios religiosos, fazer a boa semente germinar nas almas de seus filhos e produzir assim saudáveis frutos para a sociedade.
No ambiente familiar, veículo também natural das boas tradições, os filhos farão o mesmo em relação aos netos que eles darão aos pais. E assim sucessivamente, de geração em geração. Afinal, tradição – na pena de Plinio Corrêa de Oliveira – “é a vida que a semente recebe do fruto que a contém”.
Como a verdadeira educação repousa antes sobre a família, tal realidade é o canal necessário para a transmissão dos valores religiosos e morais, que unidos às características genéticas de cada família darão origem às estirpes constitutivas de uma civilização digna desse nome.
Cumpre ressaltar o papel exercido pelas mães na vida dos santos, entre eles São João Bosco, São João Vianney e Santa Teresinha. Em seguida, a importante ação da Igreja que dispõe dos meios de santificação e ensina a forjar a personalidade. A Igreja possui a arte de conduzir as consciências.
A Santa Igreja fornece ao homem a bússola segura sempre a apontar para a Fé, a Esperança e a Caridade, além das demais virtudes infundidas pelo Santo Batismo, ampliadas e robustecidas pela Confirmação ou Crisma, e dilatada possantemente pelo alimento espiritual da Eucaristia.
Em outro plano, entra o Estado, quando estruturado em conformidade com o princípio da subsidiariedade – portanto oposto ao gigantismo socialista que o caracteriza em nossos dias – complementa a formação dos indivíduos pela criação de ambientes e de leis favorecedoras da família e da Igreja.
Dentro da sociedade temporal, habitat do homem, função primordial incumbe às elites, cujo bom exemplo representará fator de engrandecimento moral, espiritual e material de uma nação, mas quando deterioradas constituirão para esta mesma sociedade um terrível malefício.
Em próximo artigo, pretendo ilustrar o acima exposto, com o exemplo de Santa Maria Goretti, cuja formação familiar e religiosa marcou de início a fim sua curta, mas luminosa existência.



O dom mais precioso da vida



Em recente artigo, expus minhas apreensões diante do mundo dito moderno, ao mesmo tempo em que tratei da instituição da família como veículo natural das boas tradições. Agora darei um exemplo vivo sobre a matéria anterior.
O caso modelar que me ocorre é a da figura angélica de Santa Maria Goretti. Nessa época em que as praias são tomadas pelo neopaganismo que estadeia toda corrupção da civilização moderna, aquela pequena virgem entrega a sua vida a Deus com toda a resolução.
Para quê? – Para não perder aquilo que ela mais amava, mais do que a luz de seus olhos, mais do que a sua própria existência, aquela virgindade que se aprende a amar como o dom mais precioso da vida, quando se tem uma alma verdadeiramente eucarística.
Lendo sua vida, salta-nos uma pergunta: Como puderam seus pais analfabetos colher o inesperado tesouro de santidade em um de seus filhos? A Igreja usufruía naqueles tempos de uma situação na qual os homens regiam suas vidas sob a influência benfazeja das Leis de Deus.
Santa Maria Goretti nasceu num ambiente preservado, onde não havia evanescido a noção do bem e do mal. Seus pais ensinaram aos seis filhos o catecismo, ensinaram-lhes a rezar, a fazerem a primeira Comunhão. Reunidos, eles rezavam a oração da manhã e da noite.
Além de terem a vida muito ocupada na lida do dia, para proverem o sustento da casa, os pais eram exemplares. Aos domingos, caminhavam duas horas para assistir a Santa Missa, enfrentando as intempéries próprias de cada estação.
Com tal programa familiar, pode-se ainda perguntar: Como Santa Maria Goretti conseguiu trilhar a avenida da alta santidade sem a concorrência de nenhum sábio e experiente educador, a ponto de deixar perplexos os promotores de sua canonização?
Viveu ela num lar inteiramente cristão. Sua mãe, quando solteira, teve de trabalhar em casas de família para tirar o seu sustento, e com isso teve de tomar cuidado com os perigos de se perder. Possuía ela uma consciência reta e bem formada na noção do bem e do mal.
Soube ela transmitir à filha o senso do dever para com Deus que vê todas as coisas. Certo dia, a filha se escandalizou com conversas que ferem os ouvidos inocentes. Contudo, a mãe soube dizer à filha que se cuidasse para dominar suas expressões, a fim de não chocar as pessoas.
Seus pais a chamaram Maria para ter uma poderosa padroeira no Céu, e, cheios de zelo, levaram-na a pia batismal apenas 24 horas após o nascimento a 19 de outubro de 1890. E Maria foi crescendo em graça e santidade. Todos os olhares recaíam sobre sua beleza, sobretudo da alma.
O sobrenatural como um perfume se emanava dela. Daí o ódio do assassino que a todo custo queria fanar a beleza resplandecente de sua castidade. Gostava de estar sempre ocupada e serviçal. Pronta para qualquer empresa, não tendo medo de sacrifícios e de renúncias.
O próprio Nosso Senhor dirigia sua alma com inspirações, graças e dons. As primeiras palavras que aprendera ainda balbuciando foram os nomes de Jesus e Maria. Seus primeiros ósculos foram para a Santíssima Virgem. Sua primeira palavra pela manhã era Ave Maria!
Ainda voltarei ao assunto proximamente, se Deus quiser.