segunda-feira, 28 de março de 2011

Cigarro seguro?



                                                                                                                        Pe. David Francisquini (*)


Por ocasião do carnaval, mais uma vez o governo brasileiro agiu de modo irresponsável ao fazer grande estardalhaço com a difusão – segundo dados colhidos da mídia – de 80 milhões de preservativos, sob pretexto de “sexo seguro”, portanto, sem risco das chamadas DST, entre as quais a famigerada AIDS. A propósito, vi recentemente uma comparação que me pareceu bastante esclarecedora.
Trata-se de uma análise entre a campanha que vem sendo feita em âmbito mundial contra o tabagismo e, de outro lado, a campanha igualmente mundial contra a AIDS. A partir do momento em que autoridades mundiais concluíram que o uso do cigarro é perigoso para a saúde, os governos começaram a adotar todo tipo de medidas, inclusive recorrendo a leis.
Para quê? – Para desencorajar aqueles que fumam, é claro! Daí a proibição de se fumar em ambientes fechados e, hoje, até em lugares públicos. Nada mais eficaz. Ninguém ouviu falar de uma campanha nacional ou internacional para promover o “cigarro seguro” encorajando o uso de filtros capazes de reduzir o risco de câncer, insuficiência cardíaca e outras enfermidades decorrentes do fumo.
Com efeito, ninguém promove distribuição maciça de filtros para cigarros em escolas, em prisões como vem ocorrendo com os preservativos. Qual seria a razão? – Parece óbvia. Os promotores das campanhas contra o tabagismo são convictos que a abstinência do fumo constitui a maneira mais eficiente e eficaz para evitar as doenças decorrentes do fumo.
Por que então não se procede da mesma maneira em relação a AIDS? – Não. As mesmas autoridades que combatem as doenças provenientes do hábito de fumar insistem paradoxalmente em promover e patrocinar o dito “sexo seguro”. Quantas vezes ouvi o refrão nascido da sabedoria popular “para os mesmos males, os mesmos remédios”... Incoerência e contradição do século XXI?!
O que nossas autoridades deveriam fazer era, no caso da AIDS, advogar a abstinência, incentivar a fidelidade conjugal, desencorajando assim a promiscuidade. Por que não o fazem? – Infelizmente, essas mesmas autoridades rejeitam a castidade a priori, pois defendem uma cultura erótica, sustentam que o prazer sexual é um “direito humano”...
A Igreja Católica ensina que a castidade dentro e fora do casamento está de acordo com a Lei natural e a Revelação cristã e contribui para elevar o padrão moral da sociedade. Além de trazer benefícios para a saúde, ela é o meio mais eficaz para combater a AIDS e outras doenças sexualmente transmissíveis. Mas por preconceito ideológico, a prática da castidade é simplesmente rejeitada.
A propósito, afirma a Congregação para a Doutrina da Fé: “A união carnal, por conseguinte, não é legítima se entre o homem e a mulher não se tiver instaurado, primeiro e de maneira definitiva, uma comunidade de vida (...). Para que a união sexual possa corresponder verdadeiramente às exigências de sua finalidade própria e da dignidade humana, o amor tem de contar com uma salvaguarda na estabilidade do matrimônio. Tais exigências demandam um contrato conjugal sancionado e garantido pela sociedade”. (Declaração sobre alguns pontos de ética sexual, 1976, Vozes, Petrópolis) Portanto, comete grave pecado todo relacionamento sexual que não seja entre pessoas legitimamente casadas.
A distribuição em massa de preservativos abre as portas para o amor livre, para a licenciosidade dos costumes, desencadeando chagas e desordens sociais em cascatas, verdadeiros tsunamis da moralidade pública e individual bem como da estabilidade social. Com isso se esvaece a ordem e sem ordem não há paz.
Nosso Senhor – e Ele é Deus – que as portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja, que é o seu corpo místico. Nesse sentido, nosso Redentor se encontra junto a nós, enquanto Pai amoroso, predisposto a nos compreender, perdoar e até usar de clemência para conosco. Enquanto pastor de almas, tenho alertado os leitores sobre a inutilidade de um vigia cego.
Ao escrever essas linhas o faço com o espírito da caridade nos ensinada pelo próprio Cristo, que se encarnou, padeceu e morreu na Cruz pela salvação de cada um de nós. Pelos méritos dEle temos sede de almas, razão que me leva a estar sempre alerta perante o favorecimento da corrupção, difundindo ou incentivando o pecado que cedo ou tarde conduzirá a ruína da sociedade.
Quem viver, verá.




domingo, 20 de março de 2011

Pertencer à Igreja (II)
                                                                        *Pe. David Francisquini


No artigo “Pertencer à Igreja”, procuramos mostrar o que é a Santa Igreja Católica, Apostólica, Romana, o corpo místico de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ao nos referir à alma da Igreja, apontamos para o que ela tem de mais profundo, ou seja, a Fé, a Esperança e a Caridade, os dons da graça e do Espírito Santo. Todos esses tesouros celestes decorrem dos merecimentos de Cristo Redentor e dos Santos.
Por sua vez, o corpo da Igreja é representado pelo que ela tem de visível e externo, como a associação dos fiéis, o culto, o ministério, o governo e a ordem externa.
Ensina o Papa Pio XII na encíclica “Corpo Místico de Cristo”: “Assim como o Verbo de Deus para remir os homens com suas dores e tormentos quis servir-se de nossa natureza, assim, de modo semelhante, no decurso dos séculos se serve da Igreja para continuar perenemente a obra começada”.
Na sua obra Redentora, Jesus Cristo conquistou os merecimentos para a eterna salvação dos homens, mas não quis aplicar os méritos somente por meio de Si mesmo, mas com a ajuda de colaboradores. Por isso reuniu e formou os Apóstolos que auxiliados pelos sacerdotes governam, ensinam e santificam os fiéis.
“Não vos é segredo (...) que nesses tempos calamitosos foi desencadeada uma guerra cruel e temível contra tudo quanto é católico, por homens (...) imbuídos de doutrina malsã, fechando seus ouvidos à verdade, tem propalado e disseminado (...) doutrinas falsas de toda espécie, provindas do erro e das trevas”, alertou-nos Pio IX.
Pertencer à Igreja é coisa muito alta e muito árdua, já o dissemos. Na defesa da Igreja – de acordo com o aguerrido e virtuoso Pio IX – devemos fazer uso de todos os meios lícitos a nosso alcance, pois horroriza e confrange os corações considerar os monstruosos erros e artifícios inventados para prejudicar a Igreja.
Quer através de insídias e de maquinações, os inimigos da luz estão sempre se esforçando para apagar a piedade, a justiça e a honestidade. Eles lutam dia e noite para depravar os costumes, calcar aos pés os direitos divinos e humanos, perturbar a religião católica e a sociedade civil e até mesmo arrancá-los pela raiz como se lhes fosse possível.
Eles chegam mesmo a uma audácia jamais vista. “Abrindo sua boca e proferindo blasfêmias contra Deus” (Apoc. XIII, 6), eles ensinam pública e desavergonhadamente que os mistérios de nossa santa religião não passam de invenções humanas, que a doutrina da Igreja é contrária ao bem-estar da sociedade, e, se atrevem mesmo a insultar o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo.
Já Leão XIII, na encíclica Divinum Illud, consignou que a Igreja nascera do lado do segundo Adão, adormecido na Cruz. Ela se manifestou à luz do mundo de modo insigne no célebre dia de Pentecostes. E nesse mesmo dia, começou o Espírito Santo a repartir seus benefícios ao Corpo Místico de Cristo.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Pertencer à Igreja (I)
                                                                                                              *Padre David Francisquini


Entre os doze artigos do Credo, há um que afirma: “Creio na Santa Igreja Católica”. Os leitores sabem que não nos referimos apenas ao edifício material, onde os fiéis se reúnem para rezar, pagar seu tributo de amor a Deus pelos benefícios auferidos, receber os sacramentos e assistir ao Santo Sacrifício da Missa.
As homenagens que prestamos a Deus se chamam religião, enquanto o templo material se chama casa de Deus ou casa de oração. Mas afinal, o que é a Igreja Católica, Apostólica Romana? – É um grupo de fiéis reunidos que professam a mesma fé, participam dos mesmos sacramentos e estão submissos aos legítimos prelados, sobretudo ao Papa.
Com efeito, o Romano Pontífice é o Vigário de Cristo e a cabeça visível da Igreja, enquanto Jesus Cristo é a cabeça invisível. A Igreja é um corpo moral, Reino de Jesus Cristo ou Corpo Místico de Cristo. Seu corpo docente – a hierarquia – deve governar, ensinar e santificar, enquanto os fiéis, membros da Igreja discente, devem ser governados, instruídos e santificados.
Os que pertencem à hierarquia – papas, bispos e sacerdotes –recebem o Sacramento da Ordem, ao passo que os fiéis fazem parte da Igreja pelo batismo, porta de entrada de todos na Igreja Católica, fora da qual não há salvação. Contudo, não basta pertencer à Igreja para se salvar, é preciso ser membro vivo d’Ela, estar na graça de Deus.
Como escreveu Plinio Corrêa de Oliveira numa de suas belas Vias Sacras, “pertencer à Igreja é coisa muito alta e muito árdua. Devemos pensar como a Igreja pensa, sentir como a Igreja sente, agir como a Igreja quer que procedamos em todas as circunstâncias de nossa vida. Isto supõe um senso católico real, uma pureza de costumes autêntica e completa, uma piedade profunda e sincera”.
A Arca de Noé é apontada como uma prefigura da Santa Igreja de Cristo, pois todos os que nela entraram encontraram a salvação no dilúvio universal. Portanto, a nova arca da aliança é a barca de Pedro, ou seja, a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra Ela”.
Na Cruz, a Igreja saiu do lado de Jesus Cristo, como do lado de Adão surgiu Eva. Por isso a Igreja é a Esposa de Cristo. E todos nós, batizados, fazemos parte de Cristo como membros. Os que por ignorância invencível ou por impossibilidade de pertencerem à Igreja Católica procuram agir retamente pertencem à alma d’Ela pelo desejo ou pelo voto.
Os trigais, a vinha e os sarmentos, o grãozinho de mostarda, a parábola do bom pastor, o agricultor que saiu a semear no campo, os trabalhadores que foram contratados para trabalhar na vinha, a parábola do banquete, são exemplos entre outros da expansão da Igreja, de sua vitalidade, da sua força e da sua fundação. Através de suas maravilhosas parábolas, o Divino Mestre nos dá ensinamentos em profusão para que possamos entender a Santa Igreja. Revestido dos poderes sacerdotais da Santa Igreja de Jesus Cristo, tenho a obrigação de conduzir, evangelizar, converter e santificar as almas, por cujo bom ou mau desempenho eu deverei um dia prestar contas a Deus. Como deverá prestá-las cada fiel em particular, porque “pertencer à Igreja é coisa muito alta e muito árdua”. Mas vale a pena. Como nos foi prometido, a recompensa será demasiadamente grande e eterna!

Até breve, quando eu retomar ao tema.








terça-feira, 1 de março de 2011

Um vigia cego?

Um vigia cego?                                                                                                                
                                                                                                                  
*Padre David Francisquini


Lembro-me de ter comentado recentemente com meus leitores a doutrina moral da Santa Igreja Católica sobre o uso dos preservativos, seja como meio de contracepção seja como profilático, sobretudo com o advento letal da AIDS.
Para os cientistas, o preservativo não é 100% eficaz para a contracepção e sua falha tem como conseqüência o desenvolvimento de uma nova vida. Como profilático, em se tratando do HIV, qualquer falha representa morte certa. (Cfr. Aids e o preservativo por Mons. Michel Schooyans).
Ademais, quem pratica a luxúria torna-se escravo das paixões desordenadas, perdendo a consciência do bem e do mal; a memória fica atormentada e a inteligência obnubilada; perde a perspicácia e a segurança de julgamento; perde, enfim, o temor de Deus e o respeito para consigo mesmo.
Quanto à castidade, os teólogos tradicionais da Igreja – bem como todos os santos – recomendam a máxima cautela, seriedade e severidade tanto quanto for necessário, nunca fazendo concessão alguma, a fim de não se desviar do caminho de Deus.
Nas páginas dos Evangelhos, Nosso Senhor com toda severidade nos alerta a propósito dos escândalos: “Ai do mundo por causa dos escândalos, mas ai de quem ele vier, melhor atar uma pedra de moinho ao pescoço e ser atirado nas profundezas do mar”.
Prova disso foram os terríveis castigos infligidos pelo dilúvio e as conhecidas punições sobre as cidades de Sodoma e Gomorra, que incorreram na prática infame do vício da impureza. Se alguém quiser analisar com clareza as conseqüências que a depravação dos costumes acarretam, que veja certos doentes de hospitais e hospícios.
Não há como negar a correlação entre os vícios da impureza e o uso das drogas. E todos nós sabemos que as drogas vêm conduzindo a sociedade para a violência e para o seu corolário, o crime. Pelo caminhar da carruagem, não é preciso ser profeta para anunciar a ruína da sociedade moderna.
É bom que nossos governantes saibam que não será com preservativo que se vai sanar o flagelo da AIDS, mas na prática da pureza e da continência. E muito mais que a doença corporal, o mais grave será a perda da alma, como afirma as Escrituras: “Nada de impuro pode entrar no reino dos Céus”.
Jesus Cisto enalteceu a virtude da pureza colocando-a entre as bem-aventuranças: “Bem aventurados os puros de coração, porque verão a Deus”. Podemos, pois, concluir que a prática da castidade nos leva a um claro conhecimento de Deus, a uma morte santa e feliz, a uma especial honra e dignidade no Céu.
Como sacerdote, não quero sofrer a censura feita por Deus àqueles que deviam velar por Israel: "As suas sentinelas estão todas cegas, todos se mostram ignorantes; são cães mudos, que não podem ladrar, que vêem coisas vãs, que dormem e que amam os sonhos" (Is. LVI, 10).
Não quero, repito, ser vigia cego ou cão mudo. Se lhes digo isso, é para adverti-los da responsabilidade que alguns podem assumir diante de Deus ao favorecer a corrupção do povo, difundindo ou incentivando o pecado que cedo ou tarde conduzirá à ruína da sociedade.