sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Onde nasce a Luz, ali nasce a Fé

                                                                    *Pe. David Francisquini


Ao considerarmos a Gruta de Belém, não podemos deixar de perceber a união tão íntima entre Jesus e Maria. Ele enquanto Deus deu a vida a Maria, e Maria enquanto Mãe deu a vida a Jesus. Se Jesus Cristo se fez homem, o fez por Maria, escolhida por Ele para ser sua Mãe.
Como não se pode separar a luz e o calor do sol, assim também não se pode separar Jesus de sua celestial Mãe. No Presépio, ao receber a visita dos pastores de Belém, o Menino-Deus encontrava-se reclinado, envolto em panos, sob o olhar enlevado de Maria e José.
Os Reis Magos O encontraram sentado nos braços de Maria, um trono seguro e sem mácula.  Consumado o milagroso parto, veio à luz o Homem-Deus naquele presépio, pois não havia lugar para Ele em Belém. O Rei dos reis, nas dimensões de terna criança, estava nos braços de Maria e se alimentava de seu leite.
O Evangelho descreve o natal de Jesus, Belém de Judá – cidade de José e Maria, pertencentes à linhagem de David – e os dias de Herodes. Ao narrar sobre este último, quis assinalar que além de não pertencer à dinastia real de David, ele era um rei intruso, despótico e cruel.
O maior acontecimento da História havia se cumprido conforme a profecia de Daniel, depois das setenta semanas de anos acabados. Enquanto a nação Judaica era governada por Reis legítimos, Deus enviava Profetas para sanar os males que se acumulavam sobre o povo escolhido.
Lemos no Gênesis (49,16) que o cetro não será tirado de Judá, nem o príncipe de sua descendência, até a vinda d'Aquele que deve ser enviado – a esperança das nações. “Ele atará à vinha o Seu jumentinho e à videira, ó meu filho, a Sua jumenta. Lavará Sua túnica no vinho e Sua capa no sangue da uva. Os Seus olhos são mais formosos que o vinho, e os Seus dentes mais brancos do que o leite”.
São Mateus pergunta: “Onde está o Rei que acaba de nascer? Porque nós vimos sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo. Ao ouvir isto, o rei Herodes turbou-se, e toda Jerusalém com ele. E convocando todos os príncipes dos sacerdotes e os escribas do povo, perguntou-lhes onde havia de nascer o Messias”.
E eles lhe disseram: em Belém de Judá, porque assim foi escrito pelo profeta: “E tu, Belém, terra de Judá, de modo algum és a menor entre as principais cidades de Judá, porque de ti sairá um chefe, que apascentará Israel meu povo”.
Enquanto os pastores são israelitas, os magos são gentios, ou seja, não pertencentes à raça do povo escolhido. Mas uns e outros se aproximaram de Nosso Senhor Jesus Cristo como pedra angular do edifício novo instaurado por Jesus Cristo, a Santa Igreja Católica, Apostólica, Romana.
Comenta Santo Agostinho que Jesus Cristo não quis se manifestar aos sábios e justos, mas a pastores rústicos e a representantes de povos que viviam nas trevas do paganismo ou da idolatria. Assim agiu para confundir os sábios e para que ninguém pudesse se ensoberbecer; e nem o débil desesperar-se por sua debilidade e fraqueza.
 Representando todas as nações descendentes de Noé e seguidos por grande comitiva, os Reis Magos ofereceram ao Menino-Deus ouro, incenso e mirra. Eles vieram do Oriente... No dizer de São João Crisóstomo, onde nasce a Luz, ali nasce a Fé.