sábado, 26 de novembro de 2011

De Deus não se zomba!


De Deus não se zomba!


                                                                                          *Padre David Francisquini


Patrocinada pelo Ministério da Saúde, a experiência da distribuição gratuita de preservativos a estudantes do Ensino Médio em quatro capitais deverá ser estendida a 400 escolas públicas de todo o Brasil através da instalação de máquinas distribuidoras. A propósito e enquanto sacerdote, eu me julgo na obrigação de dizer uma palavra sobre o assunto.

Reporto-me a um dos modelos apontados pela Santa Igreja para a edificação de seus membros, São Pedro Julião Eymard, fundador da Congregação do Santíssimo Sacramento ou Sacramentinos. Como grande conhecedor de almas, ele considerou a transição da infância para a adolescência como a fase mais crítica da vida de um jovem, pois seu futuro dependerá do que ele foi nesse confronto decisivo da vida.

Ao não se deixar capitular pelos impulsos sexuais, a personalidade fica para sempre impregnada pela alegria de ter vencido aquela primeira batalha da vida. Falando certa vez para um público jovem, aquele santo francês assegurou: Se vedes em mim decisão e coragem, é porque eu soube vencer tal ímpeto da paixão e isso se expressa em minha própria voz.

         Com efeito, nada rompe mais a personalidade de um moço do que se enveredar pelo caminho tortuoso da impureza. São Paulo nos advertiu: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba. Aquilo que o homem semear, isto também colherá: aquele que semeia na sua carne, da carne colherá corrupção; mas o que semeia no espírito, colherá do espírito a vida eterna.

“Andai segundo o espírito e não satisfazei o desejo da carne. Efetivamente, a carne tem desejos contrários ao espírito e o espírito desejos contrários à carne; essas coisas são contrárias entre si para que não façais tudo aquilo que quereis... As obras da carne são manifestas: o adultério, a fornicação, a impureza, a luxúria...”.

         Existe um princípio regulador da função sexual que se obtém apenas dentro do matrimônio legítimo, pois só este proporciona o verdadeiro sentido de sua retidão moral no relacionamento homem e mulher. Não havendo tal formalidade, as relações sexuais se tornam imorais e, portanto, constituem sempre e em qualquer circunstância, pecado mortal inescusável.

Os defensores das relações pré-matrimoniais costumam alegar como obstáculos para a realização do casamento a prazo longo ou curto, as dificuldades para a obtenção de uma casa, a compra de móveis, a necessidade de conservar o amor, o desabafo do organismo, problemas de saúde, ou ainda a necessidade de maior conhecimento recíproco.

Contudo, tais alegações são feitas para abafar a própria consciência, pois como não querem ter filhos – para eles a grande tragédia da vida –, procuram eliminar todos os entraves que os impedem de se relacionarem e, ao mesmo tempo, gozarem de reputação ilibada perante a sociedade. Outra corrente quer fazer deste relacionamento uma coisa tão banal que julga ser melhor trazê-lo para a luz do dia.

Espero mostrar brevemente que os preservativos não vão solucionar os problemas dos jovens, mas agravá-los. Nosso governo, ao promover tal iniciativa, está semeando a cizânia no campo primaveril de nossa juventude. Contudo, a sociedade não tardará a colher o fruto desse infausto trabalho.


De Deus não se zomba! (II)

                                                                                         Padre David Francisquini

Ao comentar o infausto ensaio do governo brasileiro de promover a distribuição de preservativos a estudantes de Ensino Médio, mostramos que em vez de resolver o problema dos jovens, tal medida somente os agravará. Ressalto de passagem que “experiências” do gênero são sempre levadas a cabo em nome da “ciência”, a qual fica assim desvirtuada de seu sentido original, tornando-se uma palavra-talismã.

É, pois, ancorado na nova religião da “ciência e na técnica” que o Estado interfere em tudo, legisla e tenta regular a conduta do cidadão em campos nunca antes imaginados, para assim “redimir” os homens e a sociedade de todos os seus males presentes e futuros. Para citar um exemplo, lembro aos leitores a ridícula “lei da palmada”...
A propósito, acabo de ler estarrecedora notícia publicada no The Telegraph, de Londres, segundo a qual 38% da população da União Européia sofrem de distúrbios mentais e doenças cerebrais. O jornal inglês se baseia num estudo do Colégio Europeu de Neuro-psicofarmacologia. Para os estudiosos, as desordens mentais se tornam o maior desafio à saúde na Europa do século XXI.

Comentando a referida notícia, Luís Dufaur (http://www.ipco.org.br/home/) afirma que a causa desses males pode bem estar na tentativa de construir uma super-organização em bases puramente materiais que ignoram – e até hostilizam – o lado espiritual e a religião do homem. E indaga: “Não será uma das causas mais profundas desses desarranjos mentais?”.

Atentar contra os fundamentos cristãos da civilização constitui um dos maiores fatores de enlouquecimento. O pior é quando tal ataque é perpetrado metodicamente pelo Estado em nome da ciência. No caso concreto da distribuição de preservativos a estudantes, a iniciativa conta com o auxílio de pesquisadores de dois órgãos da ONU.
O cuidado com os jovens deve começar pelos pais e ser complementado pelos professores. É na juventude que se forma o caráter, o qual, por sua vez, influenciará no destino de cada um. Os pensamentos se transformarão em palavras, as palavras em atos, e estes em hábitos que formarão ou deformarão seu modo de ser.

O que nossas autoridades semearem nas escolas, a sociedade colherá no final do ciclo. A imoralidade vem ceifando mais vidas que a própria guerra e está na origem da violência, da criminalidade, do desajuste familiar e das separações; está na raiz da pior das epidemias, além de um incontável número de doenças. Através dos frutos pode-se saber se as sementes têm sido boas ou não.

Enquanto sacerdote, eu me reporto ao ensinamento da Igreja, que condena a liberação do sexo na adolescência, ou mesmo antes do matrimônio: “Bem aventurados os puros de coração porque possuirão o reino dos céus.” A união carnal só pode ser legítima quando se estabelece uma definitiva comunidade de vida entre um homem e uma mulher.

As relações sexuais pré-matrimoniais excluem, o mais das vezes, a prole e o que se apresenta como amor conjugal não pode se desenvolver como deveria, ou seja, num amor paterno e materno.

Caso eventualmente se desenvolva será em prejuízo dos filhos, que se verão privados da convivência estável da qual havia de poder realizar-se como convém e encontrar o caminho e os meios necessários para se integrarem na sociedade. (Declaração da Santa Sé nº 7).

sábado, 5 de novembro de 2011

A semente em terra fértil (II)

                                                                              *Pe. David Francisquini

Em recente artigo – A semente em terra fértil – tive ocasião de salientar a têmpera do homem do campo, formada primordialmente pela contemplação e reflexão. Hoje volto ao tema entrevendo uma montanha que se eleva no seu panorama. Ela estará sempre como uma bússola a nortear sua imaginação cheia de princípios, ainda que incipientes, sobre as virtudes teologais: a fé, a esperança e a caridade. 
A partir daquele mirante, o camponês poderá analisar o que acontece ao seu redor como uma chuva mansa que cai sobre a relva e ressoa harmonias às quais ele poderá associar as dádivas e as bênçãos de Deus sobre ele, sua família e seu campo. Enquanto a vegetação se beneficia da água, ele agradecerá a Deus, o Pai de todos, que faz chover sobre os justos e os injustos.
Enquanto os pássaros em revoada se põem a cantar, o camponês pensará no céu, nos anjos e nos santos, que numa homenagem perene louvam a Deus. Ao ver um passarinho apanhar um inseto e com ele alimentar seus filhotes, o camponês se lembrará de Deus que o ajuda sempre a alimentar seus filhos e educá-los para a vida.
De quando em quando, ele ouve um mugido do gado pastando, e se lembrará de Deus, bendizendo-O no fundo de seu coração por não se ter esquecido dele nas labutas diárias. Enquanto os cães ladram durante a noite, ele é levado a pensar nas sentinelas que Deus lhe deu como vigia para si, sua família e seu patrimônio.
 Na iminência ou mesmo durante uma tempestade com relâmpagos e trovões, ele poderá se recordar da justiça divina que premia os bons e castiga os maus. O temor de Deus, início da sabedoria, o levará a fazer propósitos firmes de abandonar o erro e o pecado e não transgredir mais os mandamentos divinos.
Não nos esqueçamos de que o homem do campo também padece das conseqüências do pecado original; o que o diferencia dos outros em nossos dias é o fato de ele se encontrar no habitat que lhe é próprio. Com efeito, ao contemplar a natureza, ele se lembrará da vida perfeita e incriada, ou seja, do próprio Deus que é o Pai da vida, d’Aquele que distribuiu seus bens sem medidas.
Não é sem motivo que o camponês reza o Pai Nosso, oração perfeita composta pelo próprio Homem-Deus. Não é sem motivo que ele não deixa de rezar a Ave-Maria à Mãe das mães. Enquanto reza ele reflete, e seu pensamento o leva a voar para uma região longínqua, ao dia de sua morte terrena e de seu encontro com Deus.
Se o seu caráter se tornar indomável, ninguém conseguirá dobrá-lo, devido à sua fé e ao seu amor a Deus. Enquanto ele estiver na terra, não há outro sentido senão o de passar seus dias amando e glorificando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. O que continuará na terra será o seu exemplo, o seu valor de luta e de intrepidez.
Tais considerações nos fazem reportar à Escritura Sagrada, com Deus sujeitando o homem a tirar da terra o seu sustento com trabalhos árduos todos os dias de sua vida. Se assim o fez, foi de Pai para filho, pois entre espinhos e abrolhos seu herdeiro formará o caráter ao comer o pão com o suor de seu rosto, até que volte à terra da qual ele foi formado.